Mulher Farmacêutica que faz a diferença

farmaceutica-dia-da-mulherCearense de Fortaleza, Maria da Penha, farmacêutica pela Universidade Federal do Ceará, foi vitimada por seu marido em maio de 1983, com um tiro nas costas enquanto dormia.


O trágico acontecimento deixou Maria da Penha paraplégica e mesmo assim, suas novas "limitações" foram o combustível que alimentaram sua coragem para transpor os desafios que surgiram.

Sua luta contínua por justiça, resultou em 07 de agosto de 2006, na aprovação da Lei Federal 1134, Lei que levou o seu nome - Maria da Penha.

A importante contribuição de Maria da Penha na criação da Lei, proporcionou desde então a todas as mulheres brasileiras, mudanças significativas que resguardam o respeito, a dignidade e o valor precioso da mulher em nossa sociedade.

Atualmente Maria da Penha é Presidente do "Instituto Maria da Penha – IMP", uma organização não governamental, sem fins lucrativos, que visa, através da educação, contribuir para conscientização das mulheres sobre os seus direitos e o fortalecimento da Lei Federal 1134.

Neste dia Internacional da Mulher, desejamos que todas as farmacêuticas do Brasil, se inspirem no exemplo e história de vida de nossa colega de profissão. Lembrem-se sempre, que os desafios nos movem. Tiram-nos da zona de conforto, do lugar comum. Os desafios nos fazem crescer e querer mais. A história de Maria da Penha está ai para nos provar isto.

Neste Dia Internacional da Mulher, a todas as mulheres farmacêuticas do Brasil, o nosso abraço, carinho e reconhecimento.

 

Professora

Marcus Vinicius Andrade


Administrador de Empresas, diretor executivo e sócio-fundador do ICTQ – Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade.