Congresso apresenta avanços no tratamento do câncer

asco imunoterapia cancer


Estudos apresentados na reunião da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), maior congresso de câncer do mundo realizado no início de junho, em Chicago, apontam avanços no uso de uma nova classe de remédios que estimulam o sistema imunológico a combater tumores, tratamento chamado de imunoterapia. Os resultados mais promissores foram os de medicamentos indicados para câncer de pulmão e de pele do tipo melanoma, o mais grave.

Enquanto a químio e a radioterapia atuam matando diretamente as células tumorais (e outras células saudáveis por consequência), os imunoterápicos agem na estimulação do sistema imunológico para que ele próprio combata o câncer.

“Quando há a ocorrência de um câncer, proteínas que ficam na superfície do tumor interagem com as proteínas das células de defesa, os linfócitos, impedindo que ele combata o câncer. Os imunoterápicos tiram esse freio dos linfócitos e permitem que eles passem a atuar a favor do paciente”, diz Daniel Herchenhorn, diretor científico do grupo de Oncologia D’Or.

No caso do câncer de pulmão do tipo mais comum, o estudo feito com o imunoterápico Nivolumabe, após quimioterapia sem resposta, diminuiu em 27% o risco de morte do paciente. Comparado com o tratamento¬padrão, apenas com químio, o porcentual de pacientes que continuaram vivos após um ano subiu de 39% para 50%.

“É uma esperança para quem não respondeu à químio e em uma fase que não tínhamos muito o que fazer como alternativa”, diz Roger Miyake, diretor médico da Bristol¬Myers Squibb no Brasil, laboratório que fez o estudo.

O medicamento já é aprovado nos Estados Unidos e teve seu pedido de registro submetido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no mês de maio.

De acordo com estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), cerca de 27 mil novos casos de câncer de pulmão foram registrados no País em 2014. Altamente letal, esse tipo de tumor está associado ao tabagismo em 90% dos casos. Apenas um em cada dez pacientes com câncer de pulmão estão vivos após cinco anos da descoberta da doença.

Pele. No caso do melanoma, tipo agressivo de câncer de pele, a novidade apresentada no congresso americano foi um tratamento que associa dois imunoterápicos: o Nivolumabe, o mesmo testado contra o câncer de pulmão, com o Ipilimumabe, já aprovado no Brasil e também produzido pela Bristol.

O uso conjunto das duas drogas diminuiu em 30% o tumor em quase 60% dos pacientes que participaram do estudo, mantendo a doença estável por um tempo médio de um ano.

Efeitos. Por não atacar células saudáveis do corpo como a quimioterapia e a radioterapia, a imunoterapia provoca efeitos colaterais diferentes. Não há queda de cabelos, por exemplo, mas o paciente pode manifestar problemas como diarreia e doenças de pele.

Foto: © ASCO/Scott Morgan 2015

Por FABIANA CAMBRICOLI
Fonte: O Estado de São Paulo