Segundo pesquisadores virus Zika reduz em 40% desenvolvimento do cérebro

Aedes aegypti zica


Os estragos que o zika provoca em cérebros humanos vão ficando cada vez mais evidentes devido a resultados atingidos por um grupo de cientistas brasileiros. No mês passado, a equipe liderada pelo neurocientista Stevens Rehen, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFR), conseguiu mostrar, pela primeira vez, como o vírus tem preferência por atacar neurônios em desenvolvimento. Agora, na edição desta semana da revista Science, eles mostram as consequências iniciais da predileção danosa do patógeno: ele reduz em 40% o desenvolvimento cerebral, o que pode justificar o desencadeamento da microcefalia e de outras malformações em bebês.

“Os nossos resultados demonstram que o zika induz a morte celular (...), perturba a formação de neuroesferas e reduz o crescimento de organoides, indicando que a infecção em modelos que imitam o primeiro trimestre de desenvolvimento do cérebro pode resultar em danos graves”, detalharam os autores no artigo divulgado. Fazem parte da pesquisa cientistas da UFRJ, do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

zika cerebro humano
Imagem de microscopia confocal mostra células-tronco neurais humanas infectadas pelo vírus da zika (em vermelho); os núcleos cerebrais aparecem em azul (Foto: Erick Loiola e Rodrigo Madeiro/IDOR )

No novo experimento, conduzido por Patricia Garcez, professora da UFRJ, foram usados dois modelos de estudo: os minicérebros e as neuroesferas. Os primeiros, também chamados de organoides cerebrais, são estruturas de neurônios com cerca de 2 milímetros e que simulam os processos celulares e moleculares que ocorrem no cérebro durante o primeiro trimestre da gestação. Nas neuroesferas, agrupamentos de células-tronco neurais, dá para perceber as fases bem iniciais da neurogênese — o processo de formação de neurônios.

Ambas as estruturas foram infectadas pelo vírus retirado de uma brasileira. O zika matou boa parte das neuroesferas em pouco dias e causou anomalias em muitas das que resitiram a ele. Sob condições de controle, centenas de estruturas cresceram. Em um segundo experimento, feito com os minicérebros, o crescimento dos órgãos foi de 40% se comparado aos não infectados. Nessa etapa do desenvolvimento fetal, ocorre, por exemplo, a formação do córtex, área cerebral rica em neurônios — mais de 20 bilhões — e tida como a sede da razão do órgão. “Esses resultados únicos podem desvendar algumas das principais características da infecção do zika no cérebro em desenvolvimento”, ressaltou a também neurocientista Patricia Garcez.

Em março, Stevens Rehen e a equipe mostraram que as células-tronco neurais, principalmente as que dão origem aos neurônios do córtex, são o alvo do vírus zika. Na pesquisa, eles tentaram flagar a ação do micro-organismo em diferentes etapas da gestação humana. “Isso não significa que o zika não ataque outras células, mas seu alvo parece ser as células-tronco do córtex. Com isso, ele provoca uma cascata de destruição no cérebro, onde essas células-tronco se proliferam”, disse Rehen, à época, ao jornal O Globo.

Dengue


Os experimentos da pesquisa divulgada nesta semana foram repetidos com o vírus da dengue, um micro-organismo muito semelhante ao zika. Nesse caso, houve uma diferença “signiticativa da viabilidade celular após seis dias, com células infectadas com dengue sobrevivendo muito melhor”. Também de acordo com o artigo divulgado na Science, os minicérebros não sofreram redução no crescimento quando comparados aos do grupo de controle.

Fonte: Correio Braziliense