Estudo uso de Medicamentos entre indígenas

Em artigo publicado na revista Cadernos de Saúde Publica da Fiocruz, pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina investigaram o consumo de medicamentos entre índios guarani residentes em uma aldeia do litoral de Santa Catarina. O estudo, que avaliou prescrições médicas e principais fármacos encontrados em domicílio, indicou que os guarani procuram postos de saúde principalmente para combater gripe, tosse e diarreia, além de consultar o pajé e praticarem automedicação com remédios e ervas.

automedicacao-ervas-indios
Segundo os pesquisadores, durante as consultas médicas os índios apresentaram as mais variadas queixas


Para a pesquisa, os índios foram entrevistados em três momentos distintos: em 2006 e 2007, por meio de visitas domiciliares, e durante todo o primeiro semestre de 2008, período no qual uma equipe de saúde também realizou consultas médicas. "Analisando seis meses (2008) de prescrições médicas, foram indicados 458 medicamentos em 236 consultas, sobressaindo-se as preparações para tosse e resfriado, os analgésicos e os anti-helmínticos, entre outros", comentam os pesquisadores. "Nas três pesquisas domiciliares, os analgésicos e as preparações para tosse e resfriado foram os mais encontrados em 2006 e 2007, e os antianêmicos em 2008".

Segundo os pesquisadores, durante as consultas médicas os índios apresentaram as mais variadas queixas. "Um dos pontos levantados como mais favorável para os indígenas em relação à presença da equipe e à existência do posto na aldeia era que não precisavam mais enfrentar filas nos postos de saúde dos municípios vizinhos, razão também mencionada para não desejarem a municipalização do atendimento", afirmam os estudiosos.

Outro ponto que merece destaque na motivação para a busca de medicamentos foi a dificuldade de obter ervas, considerando a degradação ambiental no entorno da aldeia. "O medicamento industrializado também representa uma comodidade, quando comparado com as terapêuticas tradicionais, pois o uso do mesmo possibilita a resolução do problema sem a necessidade de sacrifícios e restrições inerentes às prescrições nativas", elucidam os pesquisadores.

Além disso, para os índios entrevistados, a eficácia dos medicamentos era reconhecida no que diz respeito aos sintomas físicos, mas a grande maioria apontou para o fato de interromper o tratamento quando há uma melhora no estado de saúde. "Durante as pesquisas domiciliares foi bastante comum ouvir dos índios que não tinham mais 'remédio' em casa porque já haviam jogado fora o que sobrou", explicam os pesquisadores. "Ao sentirem-se melhores, interrompiam o tratamento por conta própria e jogavam fora o que havia restado, corroborando a noção de eficácia avaliada com base na experiência da doença e não de critérios farmacológicos universais".

Os estudiosos ainda chamam atenção para o fato de que o maior obstáculo para o uso de medicamentos não foi seu acesso e sim complicações na forma de comunicar como é feito o processo. "A maneira como foram oferecidas as informações sobre os medicamentos (segundo a enfermeira, muitas vezes ficava a dúvida se tinham compreendido como deveriam ser tomados), a percepção dos efeitos adversos e a melhora sintomática foram as principais razões para os usuários não iniciarem ou pararem o tratamento", apontam os pesquisadores no artigo.

Publicado em 6/10/2010.

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias.

Comentários  

# João da cruz vieira 23-02-2012 12:17
Ainda sou muito o *Natural nos cuidados da saúde porque, na industria não sei como é manipulado e o que misturam nos produtos(princi palmente em antibíoticos mas, ainda tenho experanças de um dia evoluirmos mais com relação no fabrico dos mesmos e ai ssim: termos apartir dai mais confiança nestes produtos.
# nadieli 03-06-2013 11:07
parabens