Comissão da Câmara rejeita exigência de prescrição através da DCB

prescricao-medicamentoA Comissão de Seguridade Social e Família rejeitou, na quarta-feira (24), o Projeto de Lei 7476/06, do Executivo, que regulamenta as prescrições médicas e odontológicas. O texto estabelece a necessidade de médicos e dentistas colocarem em letra legível, nas receitas, a posologia e a forma de uso dos medicamentos, além de sua Denominação Comum Brasileira (DCB) ou, na sua falta, a Denominação Comum Internacional (DCI). A DCB padroniza a nomenclatura e a tradução de termos relacionados ao princípio ativo dos remédios.


O relator na comissão, deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), defendeu a rejeição da proposta. Ele argumentou que a exigência da DCB não traz vantagens diretas para o paciente: “o consumidor leigo não saberá se aquele medicamento é o mais indicado para sua saúde pelo simples fato da consignação da DCB ou da DCI estar nas receitas, seja como opção para o setor privado ou como obrigação para os profissionais do SUS”.

Pestana acrescentou que as medidas propostas inibem a concorrência. “Na verdade, o consumidor ficará nas mãos do balconista ou farmacêutico fornecedor. Dessa forma, a liberdade de escolha que será ampliada é a do fornecedor e não a do consumidor”, sustentou.

A comissão também rejeitou o PL 4365/08, do ex-deputado Rodovalho, que tramita apensado ao 7476/06. O PL 4365/08 estabelece a obrigatoriedade de as prescrições assinadas por médicos, odontólogos e veterinários serem digitadas ou apresentadas por meio de processos mecânicos de carimbos ou eletrônicos. O assunto já está disciplinado na Lei 5.991/73.

 

Tramitação

Como havia sido aprovada pela Comissão de Defesa do Consumidor, a proposta perdeu o caráter conclusivo da sua tramitação. Agora, seguirá para análise da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) e, se aprovada, será votada em Plenário.
Íntegra da proposta:  PL-7476/2006

 

Fonte: Agência Câmara Notícias