Varejo farmacêutico cresce 10,42% no 1º trimestre de 2015

mercado farmaceutico


O varejo farmacêutico nacional continua crescendo acima dos dois dígitos. É o que revela dados divulgados pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma). Mesmo diante de um cenário econômico desfavorável, as redes de farmácias faturaram cerca de R$ 8,24 bilhões em vendas totais no primeiro trimestre deste ano - um valor 10,42% superior ao mesmo período do ano anterior.

O resultado foi impulsionado especialmente pelos itens da categoria “não medicamentos”, que inclui produtos de higiene pessoal, cosméticos, perfumaria, xampu, absorventes íntimos, adoçantes, tintura de cabelo, preservativos e protetores solares, entre outros. A categoria foi responsável por movimentar R$ 2,86 bilhões entre janeiro e março - um acréscimo de 13,44% em relação ao mesmo trimestre de 2014.

“Os não medicamentos já representam 34,82% do total comercializado”, analisa Sérgio Mena Barreto, presidente executivo da Abrafarma. Para ele, o bom desempenho das redes reforça uma nova tendência de consumidor, que é mais maduro e exigente.

“O cliente busca proximidade, conforto e diversidade de itens em um mesmo espaço. Ele sai de casa para comprar um medicamento já com a intenção de levar também uma pasta de dente, um protetor solar ou um creme antienvelhecimento. Cada vez mais o canal farma também é um local de conveniência”, comenta.

No período estudado, os medicamentos acumularam R$ 5,37 bilhões em vendas, totalizando um avanço de 8,97% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Os genéricos tiveram um avanço de 7,78% sobre o mesmo período de 2014, com uma participação de 7,32% no total de comercialização dos remédios.

A pesquisa foi conduzida pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (FIA-USP), que também indicou mais de 515 milhões de unidades vendidas entre janeiro e março. As empresas associadas à Abrafarma realizaram mais de 203 milhões de atendimentos.

 

Redação – Agência IN por Michele Rios