Presidente da PhRma renuncia ao Cargo nos EUA

lobista-billy-tauzin-euaO ex-deputado americano Billy Tauzin renunciou ao cargo de presidente da PhRMA (The Pharmaceutical Research and Manufacturers of America), a entidade que reúne as grandes indústrias farmacêuticas americanas, o equivalente à Interfarma no Brasil, segundo informou nesta sexta-feira a imprensa dos EUA.


 

Como lobista da indústria farmacêutica, Tauzin havia fechado um acordo de US$ 80 bilhões com a Casa Branca em junho do ano passado para ajudar a financiar a proposta da reforma do sistema de saúde, patrocinada pelo presidente dos EUA, Barack Obama. As empresas se comprometeriam com corte de preços na cobertura de medicamentos para idosos.

 

O jornal "The New York Times" relatou que Tauzin, 66, um dos lobistas mais bem pagos de Washington, pediu demissão em razão de uma disputa interna de grupos influentes da indústria em razão do pacto com a Casa Branca. Segundo o jornal "The Wall Street Journal", ele também teve grandes divergências com parlamentares, que se opuseram ao plano de reforma de Obama.

 

A proposta de reforma da saúde de Obama está paralisada no Congresso americano depois de os democratas perderem a supermaioria de assentos no Senado, em janeiro.

 

Tauzin serviu como deputado democrata na Câmara dos Representantes antes de se tornar republicano. Ele dirigia a PhRMA, que reúne farmacêuticas como Pfizer e Merck, desde janeiro de 2005. Seu salário anual era estimado em US$ 2 milhões, segundo a imprensa americana. Ele se desligará do cargo efetivamente em junho.