Sistema de liberação prolongada de medicamento é aposta no tratamento de doenças oculares

ozurdex


 

Nova tecnologia permite o tratamento de doenças oculares com implante de dispositivo no olho que libera a medicação, a novidade foi aprovada pela ANVISA e trará benefício ao tratamento de milhões de brasileiros, que sofrem de doenças oculares.

Segundo a OMS cerca de 246 milhões de pessoas no mundo sofrem de perda moderada ou severa da visão, 90% dessas pessoas vivem em países em desenvolvimento como o Brasil, e cerca de 82% dessas pessoas possuem mais que 50 anos de idade, nos últimos anos o desenvolvimento sanitário, avanços na medicina e na qualidade de vida do brasileiro, vem aumentando significativamente a expectativa de vida da população em geral, acompanhando esse progresso também avança o número de pessoas com mais de 50 anos com doenças visuais.

As doenças que atinge essa faixa da população são diversas, um grupo de doenças mais sérias acometem a retina, parte fundamental do olho, que é responsável diretamente pela visão humana, segundo o Dr. João Guilherme de Moraes, doenças que afetam a retina predispõe o paciente a perda da visão, pois é uma região muito sensível e de difícil tratamento, doenças como Degeneração Macular Relacionada a Idade, descolamento de retina e Retinopatia Diabética, podem reduzir ou causar cegueira irreversível caso o paciente não tenha disponível o tratamento adequado para seu caso.

O número de idosos no Brasil vem crescendo ano a ano e o IBGE (Instituto de Brasileira de Geografia e Estatística) afirma que em 2030 o número de idosos será maior do que o número de crianças com até 14 anos de idade, em 2060 a população idosa irá representar mais que 25% da população, cerca de 58 milhões de pessoas, a diferença do Brasil para outros países é que enquanto Inglaterra e França demoraram mais de 100 anos para atingir essa proporção de idosos o Brasil atingirá essa marca num intervalo de 40 a 50 anos.

Em virtude desse cenário é importante oferecer a essa população tratamentos e medicamentos capazes de melhorar a sua qualidade de vida e garantir que o período da terceira idade seja aproveitado de forma plena, com saúde e qualidade de vida.

Anualmente surgem novos tratamentos avançados para doenças oculares que atingem em sua maioria pessoas com mais de 50 anos de idade, a ultima novidade que vem causando impacto positivo na oftalmologia, a mais recente novidade é o uso de medicamentos de uso prolongado, em vez da medicação ser aplicada diretamente no olho do paciente, essa tecnologia consiste num implante de um dispositivo dentro do olho, que libera a medicação de forma prolongada e continua, aumentando a eficácia da terapia medicamentosa, a Dra. Camila Winckler especialista em Retina no Centro Retina Curitiba, afirma que o tratamento com este tipo de medicação é uma importante inovação, antes era necessário diversas aplicações ao longo de meses de tratamento, agora com essa novidade a aplicação é feita uma única vez por um período de meses.

O novo medicamento tem seu principio ativo a dexametazona, um corticóide cujo o sistema de liberação prolongado age dentro do olho e controla a doença por um longo período, o Dr. João Guilherme de Moraes do Instituto de Retina Curitiba nos conta que o medicamento inibe o inchaço provocado pelo entupimento de vasos sanguineos no fundo do olho, com o passar da idade e por diversos motivos, os vasos do fundo do olho começam a ser obstruídos por acumulo de gorduras, micro-lesões, originando doenças como a DMRI (Degeneração Macular Relacionada a Idade) essa doença é responsável pela cegueira de milhões de pessoas segundo a OMS, e por isso o seu tratamento é fundamental para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Fontes: IBGE, OMS, ALLERGAN, FDA, Retina Curitiba.com.br

Escrito por Humberto Mingoranze
Médicos participantes:
Dr. João Guilherme de Moraes – CRM: 16712
Dra. Camila Winckler – CRM 21025

 

Como Age

O ozurdex é um sistema de liberação prolongada de medicamento dentro do olho. Apresenta o tamanho aproximado da ponta de um lápis e é injetado dentro do olho pelo oftalmologista por meio de um aplicador especial. Este pequeno implante dentro do olho começa a liberar continuamente o medicamento (no caso a dexametasona, que é um corticoide) durante 4 a 6 meses. Esta é a grande vantagem: efeito mais prolongado e menor necessidade de injeções frequentes.

Outro medicamento na linha de injetáveis é o Eylea (aflibercept), que faz parte de uma nova geração de medicamento antiangiogênico para tratamento da degeneração macular relacionada com a idade e retinopatia diabética. E ainda nesta classe estão o Avastin ((bevacizumab) e o Lucentis (ranibizumabe). A vantagem que o Eylea apresenta com relação aos outros é uma maior duração do efeito (2 meses) comparado com Avastin e Lucentis, cuja duração em média é de um mês, o que reduz o número de injeções

Fonte: Rubens Siqueira, especialista em retina e vítreo, de Rio Preto

 

Doenças Que Podem Ser Tratadas

Oclusão venosa - Ocorre devido à obstrução de uma veia central da retina ou de suas ramificações, podendo resultar em edema (inchaço da retina), isquemia (falta de oxigenação), neovascularização, hemorragias, glaucoma secundário e até descolamento da retina. Os pacientes mais propensos a desenvolver esta doença são aqueles que sofrem com hipertensão arterial, diabetes e glaucoma, entre outras doenças cardiovasculares

Edema macular diabético - Trata-se de uma doença provocada pelo excesso prolongado de açúcar no sangue e que atinge os vasos sanguíneos da retina. Nos olhos, os vasos ficam mais frágeis e permeáveis, deixando escapar fluidos. Estas substâncias se acumulam na região da mácula, estrutura responsável pela nitidez do que vemos. O resultado é o inchaço desta área, que ocasiona visão borrada ou embaçada

Fonte: Cláudio Dalloul, especialista em retina e vítreo, de Rio Preto