Pesquisador questiona uso de medicamento no déficit de atenção infantil

entrevista-tdah


Recentemente, a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS/SP) publicou portaria regulamentando o uso do medicamento metilfenidato no tratamento de crianças e adolescentes diagnosticadas com Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). A doença é caracterizada por sintomas como desatenção, inquietude e impulsividade e, de acordo com dados da Associação Braisleira do Déficit (ABDA), ocorre em 3 a 5% das crianças de diferentes regiões do mundo em que já foi pesquisada.

A utilização de psicofármacos é uma das formas de tratamento mais adotadas atualmente. O uso do medicamento metilfenidato em crianças menores de idade é cada vez mais frequente e os efeitos prejudiciais desse fenômeno vem sendo analisados e denunciados por cientistas de diversas áreas relacionadas à saúde pública.

Para entender melhor a questão, a ENSP TV conversou com o coordenador do Laboratório de Estudos e Pesquisa em Saúde Mental e Atenção Psicossocial da Escola (Laps/ENSP), e presidente da Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme), Paulo Amarante, que falou sobre algumas características do TDAH, as formas de diagnóstico e a medicalização, além da regulamentação do uso do metilfenidado no tratamento infantil.

Confira a entrevista em vídeo!