Dificuldade para descartar medicamentos vencidos

descarte-medicamentosO Jornal Nacional exibido no dia 1 de fevereiro de 2011( A reportagem pode ser assistida através do vídeo disponibilizado ao final do artigo) abordou o problema do descarte de medicamentos no Brasil.


 

Uma das entrevistadas que perdeu seu pai há alguns meses disse que não sabe o que fazer com os medicamentos vencidos: "Esse aqui que não serve. Às vezes alguém pega no lixo, não vai importar com data vencida e vai querer usar o medicamento que já está vencido", relatou a dona de casa.

 

A farmacêutica Elda Falgueto que trabalha na Farmanguinhos faz o alerta “O ideal é que exista nos municípios, que a secretaria de saúde e de meio ambiente elas pensem numa forma de fazer o recolhimento desse medicamento”.

 

O problema é que não existe um programa de coleta de medicamentos vencidos no Brasil, uma das únicas alternativas aos pacientes é entregar os medicamentos vencidos em uma farmácia ou drogaria. Já os medicamentos controlados devem ser entregues as vigilâncias sanitárias locais.

 

Soluções para o descarte de medicamentos

 

lixo-medicamento

Diante da matéria exibida no Jornal Nacional, decidimos pesquisa como é feito o descarte de medicamentos em outros países.

 

Uma solução são as caixas de aço que servem para o descarte dos medicamentos, que lembram as antigas caixas de correspondências dos correios, nessas caixas apenas há uma abertura na parte superior para serem despejadas as caixas dos medicamentos sem alternativas para acesso aos medicamentos.  O acesso restrito ao conteúdo da caixa somente se dá para a empresa responsável pelo destino final do medicamento.

 

As caixas de descartes costumam ser disponibilizadas nos departamentos policiais e em universidades.

descarte-medicamento

 

Por exemplo, na Itasca um vilarejo localizada no estado americano de Illinois o departamento de polícia preparou um plano para o recolhimento de medicamentos vencidos. Eles adquiriram caixas aço galvanizados que vão ser colocadas nas delegacias e disponibilizadas 24 horas por dia para que a população descarta os medicamentos.

 

 

 

 

Veja abaixo a matéria exibida no Jornal Nacional: