variante cepa indiana coronavirus covid19

Há preocupação que este pode ser o primeiro caso da variante B.1.617 emergente da Índia no Brasil

 

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária notificou a Secretaria de Saúde do Estado do Maranhão sobre tripulante indiano do navio MV SHANDONG DA ZHI que deu entrada em hospital da rede privada de São Luís com sintomas e testou positivo para Covid-19 por meio de exame PCR. A preocupação é que este pode ser o primeiro caso da variante B.1.617 emergente da Índia indentificada no Brasil

Foi coletada amostra do paciente e encaminhada para o LACEN/MA para posterior envio ao Instituto Evandro Chagas que realizará o sequenciamento genômico para identificar a variante da cepa.

A Anvisa também informou que o navio encontra-se em quarentena (área de fundeio) para isolamento dos demais trioulantes. A Secretária de Saúde do estado foi notificada para seguir os protocolo sanitários, sendo orientada a realizar coleta de exame de PCR em toda a tripulação, procedimento que já está ocorrendo.

Carlos Eduardo Lula, Secretário de Saúde do Estado do Maranhão e Presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), escreveu em sua rede social "Nossas equipes acompanham o caso, sob coordenação da ANVISA" e completou a respeito dos tripulantes do navio "já estão de quarentena".

 

Sobre a variante B.1.617 emergente da Índia

A OMS classificou a variante B.1.617 (emergente da Índia) como uma preocupação global, alertando para o risco de maior transmissibilidade, tendo se disseminado em outros países, e características que poderiam tornar as vacinas menos eficazes.

A variante  B.1.617 foi identificada primeiramente na Índia em dezembro, embora uma versão anterior tenha sido detectada em outubro de 2020.

 

Pesquisa analisa mutações na variante B.1.617 

Publicado em 22 de abril o preprint "Convergent evolution of SARS-CoV-2 spike mutations, L452R, E484Q and P681R, in the second wave of COVID-19 in Maharashtra, India" na plataforma bioRxiv identificou mutações na proteína spike em 3 delas (L452R, E484Q e P681R) e variante B.1.617. O Artigo pode ser lido em https://www.biorxiv.org/content/10.1101/2021.04.22.440932v2.full.pdf

É justamente devido à suspeita de maiores taxas de transmissão, além do aumento rápido de prevalência de linhagens da B.1.617 em diversos países, que a Organização Mundial da Saúde (OMS) a classificou como “variante de preocupação”. Outro ponto considerado foram as evidências preliminares que sugerem que a variante indiana reduz o potencial de anticorpos de neutralização, segundo relatório divulgado pela OMS na última terça-feira (11).

 

Variante B.1.617 identificada na Argentina

O primeiro caso das variantes indiana B.1.617.2 e B.1.617.1 identificadas na América do Sul foi em 2 crianças na Argentina que voltaram de uma viagem de Paris.

Elas foram testadas no aeroporto e colocadas em quarentena em um hotel juntas com os pais. Na Argentina todas as pessoas que chegam de outro país são submetidas a teste e os positivos são transferidos para quarentena obrigatória em um hotel.

 

Anvisa alertou Ministério da Saúde sobre perigo há mais de 10 dias

A  Anvisa alertou ao Ministério da Saúde através de nota técnica sobre a importância da quarentena obrigatória para todos os “viajantes estrangeiros e brasileiros que ingressam no Brasil, independente do país de procedência” diante da gravidade da pandemia .

No dia 10 de maio a Frente Pela Vida divulgou uma nota cobrando que o governo brasileiro a adoção urgentemente restrições a voos vindos da Índia, conforme alertado em nota técnica da Anvisa.

Somente neste sábado, 14 de maio, que o governo brasileiro publicou uma portaria que proíbe a entrada no país de passageiros estrangeiros de voos com origem ou passagem pela Índia em edição extra do "Diário Oficial da União".

 

 

Sobre o paciente Indiano

 

caso variante indiana covid19 brasil

 

 

Por Fábio Reis 

* A reprodução é permitida desde que citada a fonte com link para https://pfarma.com.br