sinovac coronavac vacina covid19

Estudo comprova a eficácia da CoronaVac contra a Covid-19 em pacientes com câncer

 

 

Um estudo realizado na Turquia e publicado no início de agosto na revista Future Oncology mostrou que a CoronaVac, vacina do Butantan e da biofarmacêutica chinesa Sinovac, é eficaz e gera proteção em relação à Covid-19 em pacientes em tratamento contra o câncer. Duas semanas após a aplicação da segunda dose do imunizante, houve soroconversão (ou seja, formação de anticorpos) em 63,8% das pessoas analisadas.

A taxa de imunogenicidade chegou a 100% nos pacientes que recebem apenas anticorpo monoclonal ou imunoterapia como medicação. Além disso, nenhum dos pacientes apresentou infecção por Covid-19 em um acompanhamento médio de 85 dias após completarem o esquema vacinal. O intervalo entre a aplicação das duas doses de CoronaVac foi de 28 dias.

Este é o primeiro estudo já publicado que analisa a eficácia da CoronaVac em pacientes oncológicos. As conclusões estão no artigo Immunogenicity and safety of the CoronaVac vaccine in patients with cancer receiving active systemic therapy, escrito por pesquisadores que trabalham em sete hospitais e duas universidades de Ancara.

A pesquisa foi realizada entre janeiro e abril de 2021 com 47 pacientes com tumores sólidos. Eles tinham, em ordem de frequência, câncer colorretal, câncer de mama, de pulmão, geniturinário, gástrico, de pâncreas, ginecológico, do trato biliar e do sistema nervoso central. A maioria dos pacientes foi diagnosticada com doença em estágio IV e recebia tratamento sistêmico paliativo. A idade média dos pacientes era de 73 anos, e nenhum deles havia tido contato com o vírus SARS-CoV-2.

Além da imunogenicidade, o estudo analisou a segurança da vacina. Após receberem a primeira e a segunda dose da CoronaVac, as taxas de efeitos adversos de qualquer grau entre os 47 pacientes analisados foram de 18,9% e 23,1%, respectivamente. Não foram observados efeitos adversos graves.

Os resultados do estudo turco se somam a outros artigos divulgados recentemente que também confirmam a eficácia da CoronaVac em pessoas imunossuprimidas, um público que possui maior dificuldade na defesa imunológica do organismo.

Uma pesquisa do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) mostrou que pacientes com doenças reumatológicas autoimunes apresentaram um aumento de 70,4% no nível de anticorpos contra o vírus SARS-CoV-2 duas semanas após receberem a segunda dose da CoronaVac. Além disso, cientistas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e do Hemocentro de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) concluíram que 43% dos pacientes transplantados de rim analisados geraram anticorpos contra a Covid-19 15 dias após receberem a segunda dose da vacina.

Confira o estudo em Immunogenicity and safety of the CoronaVac vaccine in patients with cancer receiving active systemic therapy em https://www.futuremedicine.com/doi/10.2217/fon-2021-0597

 

Texto por Peter Moon para o portal do Butantan