vacina moderna japao contaminante

Substâncias estranhas encontradas em vacinas da Moderna no Japão podem ser partículas metálicas

 

 

A vacinação contra o coronavírus em mais de 800 locais em todo o Japão pode ser comprometida porque substâncias estranhas foram descobertas em alguns frascos do imunizante produzido pela Moderna.

Na quinta-feira, o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão decidiu suspender o uso de cerca de 1,63 milhão de doses da vacina da companhia farmacêutica dos Estados Unidos que foram produzidas na mesma fábrica na Espanha por volta da mesma época dos frascos contaminados.

Nos últimos dez dias, substâncias estranhas foram encontradas em 39 frascos lacrados em oito postos de vacinação no Japão. Todos os frascos contaminados haviam sido produzidos na Espanha e embarcados rumo ao Japão a partir do final de julho.

O ministério afirmou não ter recebido nenhum relato de danos à saúde decorrentes das vacinas.

As 1,63 milhão de doses do imunizante tinham sido distribuídas para 863 postos de vacinação em todo o país. A pasta passou a notificar esses locais na quinta-feira de manhã.

O Ministério da Saúde declarou que vai continuar trabalhando para minimizar o impacto sobre o cronograma de vacinação por meio do envio de imunizantes substitutos aos postos.

Encarregada da distribuição das vacinas da Moderna no Japão, a Takeda Pharmaceutical afirmou ter pedido à empresa americana que identifique as substâncias estranhas e explique como os frascos foram contaminados.

 

Substâncias estranhas encontradas em vacinas da Moderna no Japão podem ser partículas metálicas

O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão diz acreditar que as substâncias estranhas encontradas em alguns frascos de vacinas da Moderna sejam partículas metálicas.

Substâncias estranhas foram encontradas em frascos não abertos do imunizante da Moderna em oito locais de vacinação no Japão desde o dia 16 de agosto. As vacinas foram produzidas em uma fábrica da Espanha.

Desde a manhã de quinta-feira, funcionários do ministério têm solicitado a 863 locais de vacinação em todo o país para interromper o uso de 1,63 milhão de doses de vacina produzidas na fábrica.

Segundo os funcionários, as substâncias estranhas estão em forma de partículas e acreditam que sejam de metal, uma vez que são atraídas por ímã. Eles disseram também que estão tentando identificar o material o mais rápido possível e investigando como as substâncias entraram nos frascos.

O Ministério da Saúde diz que, até agora, as substâncias estranhas foram vistas apenas em frascos do lote de número 3004667.

Contudo decidiu também interromper a utilização de frascos de dois outros lotes, de números 3004734 e 3004956, embora nenhuma substância estranha tenha sido encontrada nos mesmos. Esses frascos foram fabricados na mesma linha de produção da planta durante o mesmo período.

O ministério diz que o pessoal médico é solicitado a verificar se existem substâncias estranhas em um frasco antes de usá-lo, pois em algumas raras ocasiões algo pode ser encontrado.

Os funcionários do ministério também afirmaram não ter recebido nenhum relato de problema de saúde relacionado ao imunizante, porém solicitam às pessoas inoculadas com as vacinas dos lotes com os números declarados que consultem seus médicos caso sintam quaisquer anormalidades em sua condição física. As consultas podem ser feitas também à Takeda Pharmaceutical, que cuida da distribuição das vacinas da Moderna no Japão.

 

Com informações da TV Japonesa NHK