vacina astrazeneca covid19

Pesquisa publicada na The Lancet mostra a diminuição da proteção vacinal com o passar do tempo e diante do surgimento de novas variantes

 

 

Assim como já ocorre com outros imunizantes contra a Covid-19, também é necessária uma dose de reforço da vacina AstraZeneca após o esquema vacinal completo. É o que indica um novo estudo envolvendo Brasil e Escócia, e publicado na revista científica The Lancet nesta segunda-feira (20/12). A pesquisa, da qual a Fiocruz faz parte, mostra a diminuição da proteção vacinal com o passar do tempo e diante do surgimento de novas variantes.

A avaliação, efetuada em um momento de circulação intensa de variantes de preocupação e do surgimento da Ômicron, reforça a importância da vigilância da dinâmica da pandemia. O acompanhamento, que está sendo feito pelo mesmo grupo, reforça também os grandes benefícios observados na vacinação no Brasil, onde o imunizante Astrazeneca/Fiocruz foi o mais utilizado até o momento com evidência de uma alta efetividade - como publicado recentemente no boletim Vigivac.

“As vacinas são muito protetoras, mas em geral a proteção diminui com o tempo, e isso não ocorre somente com os imunizantes contra a Covid-19. No caso da Influenza, a imunização dura um ano ou menos. Descobrir qual é a duração da proteção ajuda a planejar melhor”, explica Manoel Barral Netto, pesquisador da Fiocruz Bahia e que participa da pesquisa.

O estudo aponta uma queda da efetividade da vacina de cerca de três vezes por volta do quarto mês quando comparado ao período de proteção máxima. Os dados de Brasil e Escócia puderam ser comparados porque os dois adotam o mesmo intervalo entre as doses, 12 semanas. As conclusões foram semelhantes.

“As descobertas têm implicações importantes para a política de vacinação. Em combinação com os dados imunológicos e de ensaios emergentes sugerindo que a efetividade da vacina diminui com o tempo após a segunda dose, nossas descobertas destacam a necessidade de considerar o fornecimento de doses de reforço. Outras evidências em apoio às doses de reforço vêm de dados do mundo real em Israel, que descobriu que o reforço de BNT162b2 (Pfizer) [após duas doses da mesma vacina] foi associado à redução da forma grave da Covid-19", diz o estudo.

“Vemos que algumas pessoas não têm procurado a dose de reforço aqui no Brasil. É preciso insistir nisso, ainda mais num momento em que surge a Ômicron. As pesquisas sobre a Ômicron ainda estão no início, mas sabemos que uma dose de reforço tem sido capaz de proteger contra as variantes que têm surgido”, destaca Barral.

Confira o artigo "Two-dose ChAdOx1 nCoV-19 vaccine protection against COVID-19 hospital admissions and deaths over time: a retrospective, population-based cohort study in Scotland and Brazil" em https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(21)02754-9/fulltext

 

 

Fonte: Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)