astrazeneca brasil

 

 

A revista exame publicou na última quinta-feira a matéria com o título "ascensão delas na AstraZeneca" que conta um pouco sobre a fórmula da AstraZeneca para aumentar a equidade de gênero nos grupos que tomam as decisões.

A farmacêutica figura entre uma das Melhores Empresas para Trabalhar, de acordo com o Instituto Great Place to Work, além disso, em 2015 e 2016 foi escolhida como a melhor empresa para Mulheres trabalharem.

Com metade dos cargos de liderança ocupados por mulheres a empresa é um case a ser estudado. A matéria destacou 4 pontos que fazem parte da receita da empresa:

1) Enteder a realidade: em 2016, dez executivas da AstraZeneca uniram-se para contar suas experiências e olhar dados como a presença de mulheres na liderança. Seis meses depois, o grupo organizou um evento para discutir o tema, aberto a todos os funcionários, que se tornou anual desde então.

2) Treinar a equipe: dois workshops de 4 horas sobre vieses inconscientes foram ministrados para os 12 diretores e o presidente. A rede social corporativa passou a ter videoaulas sobre o tema.
Uma Consultoria ofereceu encontros sobre liderança para 50 mulheres consideradas de alto potencial.

3) Inclui na seleção: para todos os cargos abertos, ha pelo menos uma mulher entre os candidatos na entrevista final com o gestor. O parceiro externo de recrutamento recebeu treinamento sobre como não reproduzir vieses, e assim aumentar o número de mulheres na etapa final da seleção.

4) Olha para todos: um comitê formado por 20 funcionarios, de vários níveis hierárquicos, passou a discutir a inclusão de outros grupos, além de mulheres. Em 2018, diretores participaram de 24 encontros com funcionários para ouvir ideias de como tornar o ambiente mais inclusivo.

 

Resultados

- Em 2016, 35% dos 26 cargos de liderança, a partir de gerência executiva, eram ocupados por mulheres. Hoje a proporção é de 52%
- 95% dos funcionarios dizem confiar no modo como a AstraZeneca promove a diversidade.

 

Texto por Fábio Reis com informação do texto de Marina Filippe/Revista Exame.