benlysta-medicamento-lupusFoi aprovado nos EUA pela  Food e Drugs Administration (FDA), um novo fármaco para o Tratamento do lúpus eritematoso sistêmico, o Benlysta (belimumab).

O medicamento é proveniente de uma parceria celebrada em 2006 entre a GlaxoSmithKline (GSK) e Human Genome Sciences Inc.(HGS)

Benlysta é um medicamento injetável de anticorpo monoclonal humano de investigação. É o primeiro de uma nova classe de medicamentos chamados inibidores específicos de BLyS que reconhecem e inibir a atividade biológica do estimulador de linfócitos B, ou BLyS, que foi descoberta por HGS em 1996.



Histórico do Tratamento do Lupus

O  Benlysta é o primeiro fármaco para o Lúpus em 5 décadas. O último medicamento aprovado para tratar o lúpus foi o Plaquenil em 1955. O tratamento do Lúpus atual se baseia no uso de corticosteroides, antimaláricos, imunossupressores e antiinflamatórios não-esteroides.

 

O Lúpus

lupus-lesO lúpus eritematoso sistêmico (LES ou lúpus) é uma doença autoimune do tecido conjuntivo que pode afetar qualquer parte do corpo. Assim como ocorre em outras doenças autoimunes, o sistema imune ataca as próprias células e tecidos do corpo, resultando em inflamação e dano tecidual. Uma a cada mil pessoas possui esse problema, sendo mais comum em mulheres negras e latinas (atingindo 1 a cada 245)

O LES lesa mais frequentemente o coração, articulações, pele, pulmões, vasos sanguíneos, fígado, rins e sistema nervoso. A evolução da doença é imprevisível, com crises e remissões. A doença ocorre nove vezes mais frequentemente em mulheres do que em homens, especialmente entre as idades de 15 e 50 anos, sendo mais comum nas pessoas que não têm ascendência européia.

O LES é tratável sintomaticamente principalmente com corticosteróides e imunossupressores. Atualmente ainda não há cura. O LES pode ter complicações fatais, no entanto, atualmente as fatalidades têm-se tornado cada vez mais raras.

 


Como Benlysta foi descoberto

HGS descobriu a proteína BLyS, estimulador de linfócitos B, em 1996 e publicou uma descrição preliminar da sua atividade na revista Science, em julho de 1999.

Na sequência desta descoberta, HGS iniciou um programa para desenvolver anticorpos monoclonais humanos capazes de reconhecer especificamente e inibir a atividade biológica da BLyS.

 

Resultado da Pesquisa com Benlysta

Após 1 ano, 58 por cento dos pacientes que receberam altas doses de Benlysta tem uma notável melhoria na severidade de sintomas do lúpus quando comparados com os 43 por cento das pessoas que receberam placebo. Pacientes que tomaram Benlysta também sofreram surtos da doença poucos, e alguns dos casos tinha surtos graves, bem como de longa duração entre as explosões. Eles também afirmaram menos fadiga e uma melhoria na sua qualidade de vida. Anteriormente, os resultados da pesquisa revelaram que a droga foi mais eficaz na redução da perda de cabelo, dor e erupção cutânea, quando comparado ao placebo injetado nas pessoas.

Com o uso de Benlysta foi possível diminuir a dosagem de esteróides. Um dos objetivos mais importantes para o tratamento era livra os pacientes do uso dos esteróides, uma vez que pode causar muitos efeitos colaterais que são problemáticos, como o ganho de peso, acne, distensão abdominal, pressão arterial muito alta e alguns outros.

 

Efeitos Adversos do Benlysta e Limitação de Uso

Foram observados evento que incluem dor muscular, gripe, dor de cabeça, a infecção é nas regiões superiores do trato respiratório, infecções no trato urinário, e foram correspondentes aos três grupos de tratamento. As infecções graves foram observadosentre 6% dos pacientes em todos os três grupos.

O rótulo para BENLYSTA  inclui as seguintes limitações de uso: A eficácia do belimumab não foi avaliada em pacientes com nefrite lúpica ativa grave ou grave activa lúpus do sistema nervoso central, e não foi estudado em combinação com outros produtos biológicos ou ciclofosfamida intravenosa. Uso de belimumab não é recomendada nestas situações.

 

Interesse nos Estudos

No Momento o BENLYSTA apenas está autorizado no EUA. Os profissionais de saúde interessados nos ensaios clínicos ou outros estudos envolvendo produtos HGS podem consultar o instituto via e-mail para medinfo@hgsi.com ou por telefone 822-8472 (877).


Artigo com base nas informações do HGSI e do Body Health Guides