prescricao medica digital

Projetos da indústria farmacêutica são essenciais para incentivar adesão à terapia medicamentosa

 

 

A adesão ao tratamento de doenças crônicas ou complexas é um problema de saúde pública que afeta todo o mundo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 50% da população mundial não realiza corretamente à terapia indicada pelos médicos1. No Brasil, o estudo mais recente sobre o assunto indica uma prevalência de baixa adesão em torno de 30%2. É nesse cenário que os programas de suporte ao paciente (PSP) representam um diferencial para a melhora desses índices e a tecnologia avança cada dia mais como uma aliada no desenvolvimento dos projetos.

Hoje cofundadoras da Float Health Brasil, Luciana Guimarães e Vanessa Vazquez perceberam a importância de um acompanhamento extra aos pacientes de doenças que exigem tratamento contínuo e foram as primeiras a desenvolverem programas de PSP no país, em 2005. Desde então, mais de 1 milhão de pacientes foram impactados pelas empresas dirigidas pelas empresárias.

“Enxergamos a necessidade de apoiar esses pacientes não apenas para a continuidade do tratamento, mas também para o acesso aos medicamentos, que é outra barreira para a baixa adesão. Ao instituir estes projetos em parceria com a indústria farmacêutica, o paciente tende a se interessar mais pela sua qualidade de vida e seguir as orientações médicas”, destaca Luciana, que hoje atua como Growth Innovation da Float Health Brasil.

 

Como funcionam os programas de suporte ao paciente

Os programas de relacionamento, de maneira geral, são oferecidos pela indústria farmacêutica aos pacientes que têm indicação de tratamento com seus produtos medicamentosos. “O objetivo é auxiliar o paciente em diversos momentos da tomada de decisão, desde o acesso até o acompanhamento do tratamento. É preciso levar as melhores informações sobre os produtos e as patologias. Benefícios exclusivos e descontos fidelizam o cliente e auxiliam na adesão às terapias”, explica Vanessa Vazquez, CEO da companhia.

A tecnologia revolucionou a maneira como esses programas são criados, tanto na busca por insights quanto no desenvolvimento da estratégia. A partir desta nova realidade, nasceu o SIS (System Intelligence Service), produto exclusivo da empresa, que examina, integra e combina os dados de todas as plataformas para personalização da jornada do paciente em seus tratamentos e necessidades. Com o sistema, é possível criar programas de suporte que englobam apoio em:

- Benefícios relacionados ao tratamento;
- Diagnóstico de doenças;
- Acesso a medicamentos;
- Adesão ao tratamento;
- Programas de desconto.

 

A comunicação com o paciente também é outra vertente que conta com o apoio da tecnologia. “Quando começamos, basicamente, a forma de contatar os pacientes era por telefone. Hoje, a tecnologia permite a integração dos dados do paciente, resultando em uma comunicação omnichannel inteligente ao explorar diversas plataformas como aplicativos para smartphones, mensagens de texto, chats com atendimento 24 horas por dia, além das redes sociais”, complementa Luciana. Atualmente, a Float Health Brasil atua com projetos em algumas das maiores indústrias do mercado.

 

Referências:

1. Adherence to long-term therapies. 2001 -https://www.who.int/chp/knowledge/publications/adherence_full_report.pdf

2. Fatores associados à baixa adesão ao tratamento farmacológico de doenças crônicas no Brasil. 2016 - https://www.scielo.br/j/rsp/a/R8pG5F3d3Qwx5Xz7dt6K6nx/?lang=pt#