Farmacêuticos criticam o programa "A Grande Família"

farmaceutico-a-grande-familia-globoFarmacêuticos repudiam a forma com que a profissão foi retratada no programa A Grande Família.


O episódio que foi exibido no dia 17 de novembro de 2011, causou um grande mal estar entre os farmacêuticos.

Intitulado "Vide Bula" o episódio abordava o problema da automedicação, durante os blocos do episódio o profissional farmacêutico foi representado de forma humilhante e duramente criticado, diálogos dos personagens também mostraram pontadas de desprezo quanto à "profissão farmacêutica".

O episódio recebeu duras críticas em tempo real e continuaram nos dias seguintes. Entidades farmacêuticas de todo o Brasil também se manifestaram através de nota de repudio ao programa.

No mesmo momento que tomei conhecimento de tal fato, assistindo ao programa, tratei de defender a profissão farmacêutica com as ferramentas disponíveis.

Foram inúmeras mensagens de protesto postadas por farmacêuticos e pela sociedade nas redes sociais como Facebook e twitter, muitos farmacêuticos também enviaram emails e telefonaram para a emissora de televisão em forma de protesto.

Veja abaixo as notas:

- Carta do CFF ao Diretor-Geral do Programa a grande família

- Nota de Repúdio CRF-SP

- Nota de Repúdio CRF-PA

- Nota de Repúdio da Fenafar

- Carta CRF-RJ

- Nota de Repúdio CRF-MG

 

Carta do CFF ao Diretor-Geral do Programa a grande família

 

Brasília, 18 de novembro de 2011.

Senhor Diretor-Geral,

O episódio intitulado "Vide Bula", do programa "A grande Família", que foi ao ar, na noite de ontem (17.11.11), trouxe inverdades e agressões à Profissão farmacêutica que resultaram em um grande número de manifestações de farmacêuticos, em todo o País, e nos deixaram perplexos, pelo grau de incorreções veiculadas sobre a nossa amada Profissão.

Ainda que saibamos tratar-se de uma obra coletiva de ficção baseada na livre criação artística e sem compromisso com a realidade, o referido programa, por outro lado, é um formador de opinião. Por conseguinte, entendemos que ele deve ter compromissos com a verdade das profissões, sim, como a Farmácia.

E a nossa verdade é outra da apresentada no programa de 17.11.11. Farmacêuticos são profissionais de nível superior, dotados de um alto grau de qualificação técnico-científica, além de humanismo, e que possuem grandes responsabilidades sociais.

São autoridades em medicamentos e, por questões éticas, humanísticas, técnicas e legais, jamais cometeriam ações tão abomináveis, como as que lhe foram imputadas em "A Grande Família" da última quinta-feira.

Um farmacêutico jamais iria prevaricar, dando "um jeitinho", como fez o personagem Dr. Libório, dispensando antibiótico sem a apresentação da prescrição médica ou do dentista, nem um medicamento contra a insônia. Um farmacêutico sabe dos malefícios contidos na venda irracional desses produtos, a exemplo da resistência microbiana e da dependência psíquica.

Por isto, os profissionais, no Brasil inteiro – e sob a liderança do Conselho Federal de Farmácia -, sempre, defenderam o controle na venda de antibióticos e de outros produtos.

O Dr. Libório de "A Grande Família" é, portanto, um escroque e, pela pobreza manifestada em sua fala, é um leigo e não um farmacêutico. Por conseguinte, ele não traduz, em hipótese alguma, a natureza do farmacêutico.

Diante do exposto, solicitamos-lhe a correção dos equívocos.

Sem mais, agrademos pela atenção.

Jaldo de Souza Santos,

Presidente do Conselho Federal de Farmácia.

Telefone (61)2106-6535.

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Ilmo Sr. Luis Felipe Sá,

Diretor –Geral de "A Grande Família"

"TV Globo".

 

Nota de Repúdio CRF-SP

 

Em relação ao programa "A Grande Família" exibido pela Rede Globo nesta quinta-feira, 17/11, com o episódio intitulado Vide Bula, o Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo -- CRF-SP -- registra nota de repúdio pela forma inadequada e desrespeitosa a que foi exposto o farmacêutico, profissional de nível superior e preparado para orientar e prestar assistência em relação ao uso correto de medicamentos.

Seria uma excelente oportunidade de alertar os telespectadores sobre a exigência da receita para a compra de antibióticos e medicamentos de venda sob prescrição. No entanto, a personagem Nenê obteve o mencionado medicamento sem o receituário médico das mãos do farmacêutico, o que contraria a legislação vigente e fere o código de ética profissional, ambos os casos passíveis de punição.

Outro equívoco foi mostrar o livre acesso aos medicamentos tarjados (faixa vermelha), prática proibida, pois os medicamentos que exigem prescrição médica não podem estar nas gôndolas ao acesso do consumidor, assim como, alguns medicamentos isentos de prescrição que somente podem ser dispensados com a orientação do farmacêutico.

Além disso, ao enfatizar que o farmacêutico não é doutor, sugere ser ele um profissional sem importância, desconsiderando o fato de integrar o sistema de saúde e que está na farmácia não para "vender remédio", mas para orientar o paciente no uso adequado do medicamento. A farmácia é um estabelecimento de saúde e deve ser tratada dessa forma.

O CRF-SP enfatiza que o episódio deturpou o real papel do farmacêutico, mostrando a milhões de pessoas um profissional mercenário, que burla leis e expõe a população a riscos, sem nenhum comprometimento. Sabemos que em todas as áreas existem os profissionais que respeitam as normativas e outros que infelizmente não resguardam a ética profissional, mas mediante as inúmeras manifestações que recebemos da classe farmacêutica, reiteramos o nosso sentimento de desrespeito da forma que emissora apresentou esse profissional.

Atenciosamente,

Raquel Rizzi

Presidente do Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo

 

Nota de Repúdio CRF-PA

 

Diante do episódio "Vide Bula" do programa "A grande Família" exibido ontem (17.11) pela Rede Globo de Televisão, o Conselho Regional de Farmácia do Estado do Pará (CRF/PA) se solidariza com o Conselho Federal de Farmácia em nota divulgada hoje (18.11) em defesa da profissão farmacêutica.

De forma irresponsável, o episódio desvirtua a importância que o profissional farmacêutico exerce na sociedade. Ressaltamos que esta categoria profissional trabalha incansavelmente no sentido de desmitificar a difusão de uma perigosa prática utilizada de forma cultural, a automedicação. Nos cabe salientar que a função do farmacêutico na sociedade é prestar assistência e orientar a população sobre os riscos que a manipulação irrestrita de medicamentos pode causar, atuando proativamente para resguardar a saúde pública.

Neste sentido, o CRF/PA repudia o desserviço desse tipo de produto de comunicação contra a valiosa atuação da profissão farmacêutica. Acreditamos que por atingirem uma grande parcela da população, os meios de comunicação devem exercer um papel de aliado da sociedade, utilizando seus espaços para orientar os cidadãos sobre os riscos da automedicação e não favorecer a estereotipia dos que exercem essa profissão.

Daniel Jackson Pinheiro Costa

Presidente do CRF/PA

 

 Fenafar : Nota de repúdio ao tratamento dado ao farmacêutico no programa A Grande Família

A Federação Nacional dos Farmacêuticos vem a público se manifestar a respeito do episódio Vide Bula da série A Grande Família, veiculado pela Rede Globo na última quinta-feira (17).

A televisão é o veiculo de comunicação de massa mais poderoso de nossa sociedade. O que aparece na TV contribui de maneira determinante para formar comportamentos e pensamentos. Assim, a responsabilidade dos profissionais que trabalham na televisão, ainda que em programas humorísticos ficcionais, tem que refletir esse poder.

Por isso, não podemos deixar de registrar nossa indiganação com a forma que o programa acima citado retratou o profissional farmacêutico. A Fenafar – e toda a categoria – tem realizado incessantemente campanhas para esclarecer a população sobre o papel do farmacêutico.

Somos uma categoria de profissionais da saúde, formados em nível superior e habilitados para pesquisar, produzir, manipular e dispensar o medicamento. Atuamos em várias etapas da cadeia de produção e circulação do medicamento. Os farmacêuticos que atuam nas farmácias e drogarias são qualificados para orientar o usuário sobre o uso racional do medicamento, cientes dos perigos da automedicação e responsáveis por seguir as normas federais que pautam as boas práticas farmacêuticas.

Por isso, há décadas temos lutado para tornar obrigatória a presença do farmacêutico em tempo integral nas farmácias. O farmacêutico não pode ser confundido com um balconista ou um vendedor, assim como o medicamento não pode ser tratado como uma mercadoria qualquer e, também, a farmácia não pode ser tratada como um estabelecimento comercial e, sim, como um estabelecimento de saúde.

Abordar o tema da automedicação – assunto importantíssimo numa sociedade na qual, infelizmente, a propaganda comercial do medicamento nada tem de diferente da propaganda de qualquer outra mercadoria – a emissora de televisão deveria buscar ouvir profissionais da área para não cometer erros, como representar uma farmácia na qual os medicamentos estão ao alcance do usuário.

Ao retratar um profissional disposto a "burlar" as leis em vigor que regem a venda do medicamento, ao colocá-lo como "simples farmacêutico", a Rede Globo presta um desserviço à sociedade, reproduzindo uma visão equivocada sobre o papel imprescindível desse profissional de saúde.

A Fenafar e seus sindicatos filiados reiterar seu repúdio à forma desrespeitosa como a emissora tratou toda uma categoria profissional e esperamos que situações como esta não voltem a se repetir.

São Paulo, 19 de novembro de 2011.

Diretoria da Federação Nacional dos Farmacêuticos

Conselho de Representantes da Fenafar

 

Nota CRF-MG

Belo Horizonte, 18 de novembro de 2011

O Conselho Regional de Farmácia do Estado de Minas Gerais (CRF/MG) repudia a forma como o profissional farmacêutico foi exposto no episódio “Vide Bula” da série “A Grande Família”, exibido no último dia 17, pela Rede Globo. O seriado prestou um desserviço à população ao apresentar a personagem “Nenê”, com a qual milhões de brasileiros se identificam, comprando medicamento controlado sem receita médica. E feriu milhares de farmacêuticos ao diminuir a importância deste profissional na dispensação orientada de medicamentos.

O farmacêutico é a maior autoridade em medicamentos. Ele passa por rigorosa formação humana e técnico-científica, tornando-se tão essencial quanto o próprio medicamento. A categoria possui Legislação e Código de Ética em vigor, cujos cumprimentos são fiscalizados permanentemente pelos Conselhos de Farmácia. Ao comercializar medicamento tarjado sem receita médica e ao mantê-lo nas gôndolas ao alcance do consumidor, o personagem “Dr. Libório” cometeu graves infrações, passíveis de punição.  

Um profissional farmacêutico jamais pode ser conivente com a automedicação e com o consumo irracional de medicamentos, tampouco dar um “jeitinho”, como fez “Dr. Libório”. Ao contrário. Ele é parte fundamental do tratamento e atua decisivamente para a promoção e recuperação da saúde da população. 

Diante do exposto, solicitamos retratação imediata a fim de recuperar os danos causados à imagem do farmacêutico e à formação da opinião pública, sobretudo no que diz respeito aos riscos da automedicação e do consumo indiscriminado de medicamentos.

Certos de sermos acolhidos em nossa reivindicação, antecipamos agradecimentos.

Atenciosamente,

Benício Machado de Faria

Presidente

 

Carta de repúdio ao programa A Grande Família - CRF-RJ

 

O Conselho Regional de Farmácia do Estado do Rio de Janeiro (CRF-RJ) vem por meio desta manifestar total indignação com o episódio "Vide Bula", do programa A Grande Família, exibido no dia 17/11/2011. Apesar de ser uma obra de ficção, macula a imagem do farmacêutico, que tanto tem feito em prol da saúde da população.

A discussão sobre a automedicação é altamente positiva, principalmente considerando que vivemos em um país com grandes deficiências na saúde pública. Grande parte da população, sem acesso ao médico, recorre à farmácia em busca de ajuda. A prática da automedicação traz riscos sérios para a vida do paciente e concordamos com o debate. Tanto que esta é uma das bandeiras do CRF-RJ: inserir o farmacêutico nesta discussão para que a sociedade entenda que não deve se automedicar. Ninguém melhor que o farmacêutico, profissional de saúde, para alertar sobre esses riscos.

No entanto, o episódio "Vide Bula" denigre a imagem do farmacêutico ao criar o personagem do Dr. Libório, quando deveria, ao contrário, apresentar à sociedade um profissional ético e conhecedor da legislação em vigor. Infelizmente, maus profissionais existem em qualquer profissão, mas nenhuma emissora de TV deveria ser prestar ao desserviço de reforçar uma imagem que a classe farmacêutica vem lutando para mudar há anos, e felizmente com sucesso. Hoje, a sociedade entende muito melhor qual é o verdadeiro papel do farmacêutico na farmácia.

Nos últimos anos, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, com suas resoluções, contribuiu e muito para o surgimento de um cenário em que o farmacêutico tem mais espaço para atuar como profissional de saúde, fazendo a orientação farmacêutica para uso seguro e correto do medicamento. Cada vez mais, pacientes procuram pelos farmacêuticos para tirarem suas dúvidas e consumir o medicamento da forma mais segura possível.

Sendo assim, o personagem do Dr. Libório não representa o farmacêutico que hoje atua na farmácia, em prol da saúde da população.

Diante do exposto, solicitamos à Direção do programa que repense o fato e corrija seus erros.

 

Imagem: Reprodução do Programa "A Grande Farmília - Rede Globo" 

Comentários  

# gracinildo e daiani 20-11-2011 02:36
Nào podemos nos calar diante dos desvaneios que foram exibidos, se já somos mal interpretados pela sociedade. Espero que a Rede Globo se retrate diante do exposto para nossa classe seja respeitada como tal e sua importância seja reconhecida. A sociedade não merece pagar pelo mau uso da mídia, e sim ser esclarecida, pois somos incançaveis na busca de uma melhor qualidade de vida aos que precisam de assistencia a saúde e ao bem estar...
Academicos de Ciências Farmacêuticas - Universidade Federal do Amapá-UNIFAP
# Farmaceutico Silva 20-11-2011 16:08
Eu achei um exagero da parte dos farmaceuticos quanto ao programa a grande familia exibido quinta feira dia 17/11.
Trata-se apenas de um programa humoristico, portanto não precisa levar tão a serio o que foi debatido lá!!!
Afinal um farmaceutrico com doutorado pode se chamar de doutor não é??? bachareis são bachareis!!!
# Paulo Galacio 21-11-2011 12:56
É questão de opinião, porém reflete como estamos mais "tolerantes".
# Dr. Paulo 21-11-2011 17:00
É com comentários como o seu que a classe farmacêutica é tão desrespeitada como no programa exibido.
É uma pena eu ter colegas como vc. Provavelmente vc também deve dar "um jeitinho" não é mesmo?
# Danielle 22-11-2011 09:42
Acho o programa errado tanto qto o seu comentario,e se vc tem doutorado sorte a sua q teve dinheiro pra pagar e que nao precisou trabalhar muito pra pagar sua formação "bacharelado" e se precisou de doutorado pra que fez o bacharelado em farmacia? ou entao pq nao estudou medicina?? seja humilde e nao desrespeite seus colegas de trabalho se colocando em um patamar que nao existe até eu com meu humilde bacharelado posso ser melhor que alguem mas jamais humilhar a quem trabalha comigo, somos farmaceuticos não precisamos fazer politica e sim ensinar pessoas a se educarem passando por consultas regularmente e CONSULTANDO SEU FARMACEUTICO QTO A PRESCRIÇÃO MÉDICA.

Certo Dr.
# fernanda paula 22-11-2011 19:35
farmaceutico silva.. você é um ridiculo e nem farmacêutico deve ser, das duas uma ou você não deve ter tido capacidade para enfrentar a faculdade e nem deve ter conhecimento de legislação para fazer tal comentario absurdo;
ou você é um daqueles farmaceuticos que se formou em qualquer faculdade de quinta e dá qualquer jeitinho para conseguir medicamentos sem nenhuma restrição,você é uma vergonha como farmacêutico se você for um , e uma vergonha como pessoa que se não tem nada pra fazer.. vá estudar como nós estudamos...
# Farmaceutica Rio 23-11-2011 08:26
Senhor Farmaceutico Silva, Passamos 5 anos estudando e fora as palestras e congressos assistidos e cursos de especializações em geral, para que um programa humoristico degrade a minha profissão?? isso eh absurdo!! estou extremamente chateada com a visão referida nesse programa quanto o valor do profissional farmacêutico.So mos profissionais graduados , não existe ninguém tão conheçedor dos fármacos quanto nós farmacêuticos,s endo assim extremamente humilhante como referiram a nossa profissão. nada mais.
# Farmaceutica Joyce 24-11-2011 01:26
Vc é mesmo farmacêutico? Se for, entende o que vc faz? Sua importancia na sociedade? Acho que não... Portanto, seu nome aqui, poderia ser Libório... pq está igualzinho a ignorancia do personagem frente a nossa profissão!
# Vilma 24-11-2011 15:38
Acho que está umpouco desinformado... Afinal farmaceuticos não são bachareis e quanto a denominação doutor, todos nós recebemos, independente de termos cursado doutorado ou não, assim como os medicos...Favor se informar a respeito de sua profissão!
# taciana 27-11-2011 13:59
Olha, se trantando de um programa de humor não dá o direito de menosprezar a nossa profissão, devemos sim se unir, e nos valorizar infelizmente tÊm pessoas que não amam a profissão e não se valoriza, essas pessoas deveriam mudar de profissão.
# Farmacêutico Colares 18-12-2011 11:55
Seu tolo, por acaso não sabe que um programa como esse trasmite opiniões diversas para as pessoas leigas que cada vez mais dicriminam nossa profissão. A profissão de farmaceutico é linda,tendo que ser respeitada e retratada em plena realidade.
# Lucia Macedo 21-11-2011 09:17
Depois da matéria assisti vídeo... Foi “esculacho”, valeu CFF revidar... Está na hora dos Farmacêuticos provarem o seu valor com atitudes profissionais dignas da população dar o ponto de vista real, é assim que um profissional cresce na visão dos consumidores dos seus serviços. A minha parte eu faço. Recebi propostas trabalho de clínicas dos que antes criticaram. Médicos criticavam não a análise Colpocitologia, mas eu ser Farma Bioquímica.Tive clientes que bateram de frente na minha defesa afirmando que eles deveriam primeiro saber se o meu laboratório estava legalizado, e mais... Tantos exames que “ela fez com ele” nunca deu nada porque feito no Citoprev estava alterado? Também citou dúvidas esclarecidas e orientação dos passos seguintes... Muitos que criticaram tiveram que me engolir... Cada Farmacêutico deve ser um “logotipo” digno da profissão que exerce.
# Lucia Macedo 21-11-2011 09:20
Depois da matéria assisti vídeo... Foi “esculacho”, valeu CFF revidar... Está na hora dos Farmacêuticos provarem o seu valor com atitudes profissionais dignas da população dar o ponto de vista real, é assim que um profissional cresce na visão dos consumidores dos seus serviços. A minha parte eu faço. Recebi propostas trabalho de clínicas dos que antes criticaram. Médicos criticavam não a análise Colpocitologia, mas eu ser Farma Bioquímica. Tive clientes que bateram de frente na minha defesa afirmando que eles deveriam primeiro saber se o meu laboratório estava legalizado, e mais... Tantos exames que “ela fez com ele” nunca deu nada porque feito no Citoprev estava alterado? Também citou dúvidas esclarecidas e orientação dos passos seguintes... Muitos que criticaram tiveram que me engolir... Cada Farmacêutico deve ser um “logotipo” digno da profissão que exerce.
# Fernanda Oliveira 21-11-2011 11:11
Concordo que foi equivocada a representação do farmacêutico no programa, contudo existem muitos estabelecimento s comerciais intitulados de FARMÁCIA que possuem farmacêuticos tal e qual o representado no programa. Sou farmacêutica e sinto em ter que constatar que existem profissionais mercenários. Enquanto não houver uma tratativa massiva quanto a ética farmacêutica, melhores salários e menores comissões, continuaremos tendo que conviver com o fardo de sermos considerados profissionais "descartáveis" para a sociedade, apenas um balconista com título superior. TRISTE mas verdade!
# Paulo Galacio 21-11-2011 12:51
O episódio, assim como outros que temos acompanhado em todas as mídias, expõe a falta de cultura que acomete todos os cidadãos, influenciando diretamente a forma como ele se relaciona com os outros e até mesmo como define seus princípios e valores.
A falta de percepção do conjunto e do impacto do programa pode não permitir que todos entendam como o programa ofendeu não somente os profissionais farmacêuticos mas também a toda a população ao mostrar que nós, "povo" somos um "bando de imbecis" sem critério e sem inteligência, cuja única alternativa é pedir um "jeitinho" para aplacar a própria incompetência em criar condições melhores de vida para si mesmo e para seus filhos.
Você compra DVD pirata? Você vaia o Hino Nacional? Você acha que a culpa é do governo, parabéns...este episódio, assim como toda a programação da Rede Globo foi feita "PARA VOCÊ".
Como disse o Bonner: Burro, lerdo e preguiçoso, Brasileiro enfim, para eles que foi feito o Jornal Nacional, igual o Rommer.
# Paulo Abreu 21-11-2011 14:27
Caro Farmacêutico Silva. Quanto a todas as INVERDADES pertinentes ao farmacêutico transpostas no episódio,que são inúmeras, essas, a gente, embora com tamanho pesar e lamentação pelo teor tendencioso do conteúdo e mesmo sabendo que a Globo é sistemática nos ataques à classe farmacêutica, poderia suportar. Mas após toda essa trama desvirtuosa e depreciativa, ainda elaborarem um desfecho dizendo em rede nacional: – Doutor não, sou APENAS um farmacêutico! Só não se indigna quem não é da profissão ou não tenha notado a explícita e costumeira tentativa de depreciação (médicos, dentistas, até o Roberto Marinho são sempre chamados de doutores nessa emissora!). Só a gente sabe o que passa pra lograr a importância de ser farmacêutico, importância esta que a gente vê indo por ralo abaixo quando a maior disseminadora e fomentadora de ideias no Brasil, que é indubitável e infelizmente a Rede Globo, não mede pudor ao tentar reduzir os nossos valores perante os olhos oblíquos da grande massa.
# ANDREA BASTOS 21-11-2011 22:55
Desagravo ao fatídico episódio exibido 17/11 do seriado A Grande Família. Não é a primeira vez que a emissora Globo desmerece a classe, o mesmo desrespeito ocorreu em outro seriado Tapas e Beijos, desta feita, visando a manutenção da ética e o devido respeito para com os profissionais farmacêuticos, o conselho Regional de Farmácia de SP, o qual é um conselho responsável e não tolera o desrespeito, emitiu um repúdio ao epísódio. Meus cumprimentos ao CRF SP, CRF PA E DO CFF e sinceramente espero que os conselhos dos demais estados venham fazer a mesma defesa e representação !
# Robson lucas 21-11-2011 23:49
Hoje,mais uma vez a rede globo(21/11/201 1)no programa de saúde matutino,fez questão de frizar que hipoclorito de sódio pode ser vendido em qualquer sacolão,feira,m ercado;mas o apresentador parecia ser orientado a não falar a palavra farmácia.A PERSEGUIÇÃO CONTINUA CONTRA OS FARMACÊUTICOS A FAVOR DA CLASSE MÉDICA DE MANEIRA GRATUITA.
# Raphael Figueiredo 22-11-2011 15:31
veja a reportagem
# Daniel Ribeiro Barbo 22-11-2011 22:09
Como profissional, estou indignado com a visão destorcida da Rede Globo de Televisão para toda classe farmacêutica.
Recentemente assisti a um documentário produzido pelo extraordinário Michael Moore; a onde o mesmo fala, sobre a saúde Americana. “$o$ saúde” ; pois bem, nesse trabalho é possível vê a figura do farmacêutico de forma clara e importante para promoção da saúde.
Durante mais de um século o nosso país viveu uma política escandalosa e de certa forma relaxada em relação à organização e manutenção da saúde publica. Não existia controle eficiente sobre produção, comercialização e prescrição de medicamentos. A figura do Farmacêutico inexistente era normal.
Médicos e enfermeiros e outros profissionais faziam o papel de competência do farmacêutico na área hospitalar e no comercio; pessoas desqualificadas e mal intencionas ocupavam essa lacuna.
O governo alterou a política de saúde e conseqüentement e de medicamentos; a profissão farmacêutica ganhou força.
# Daniel Ribeiro Barbo 22-11-2011 22:10
Hoje inda não podemos dizer que vivemos um quadro ideal, mas é visível a grande mudança gerada por força do reconhecimento parcial da necessidade do profissional farmacêutico em todas as Houve uma grande mudança em termos de qualidade, pelo simples fato de se ter o farmacêutico atuando como profissional.

Portanto é inadmissível aceitar tal postura de um veículo irresponsável e ditador como essa emissora.
Também quero convocar a todos os meus companheiros de profissão, que assumam uma postura de rejeição a essa emissora.
Não podemos nos calar ante a uma visão antiquada, equivocada e de certa forma preconceituosa contra todos nós farmacêuticos em geral.
Sabemos que existem forças contrarias a essas mudanças e, são forças como essas que usam veículos de comunicações para denegrir todo um bom trabalho.
# gracinildo e daiani 24-11-2011 01:15
Ainda estamos cursando Ciências Farmacêuticas, porém nossos pensamentos já não são tão hipócritas. Nem mesmo chegamos a desvalorizar nossos ricos conhecimentos adquiridos dia após dia, como desvalorizou esse tal "Farmacêutico" Silva. Agradecemos por não termos nenhun professor semelhante a ele aqui na UNIFAP.
# Renée 24-11-2011 15:17
O programa criticou farmacêuticos que mão seguem as leis. E não TODOS os farmacêuticos.
# Fernanda Maria Almei 24-11-2011 19:04
A PROFISSÃO FARMACÊUTICA NÃO É VALORIZADA E CABE A NÓS,FARMACÊUTIC OS E ESTUDANTES,MOST RAMOS NOSSA VERDADEIRA IDENTIDADE,DE PROFISSIONAL DA SAÚDE,CAPACITAD OS,E NÃO APENAS MEROS BALCONISTAS!
É CLARO,QUE SE ESTAMOS NESSA SITUAÇÃOFOI PORQUE ALGUÉM,ALGUNS ''PROSTITUIRAM' ' NOSSA PROFISSÃO..
TÁ NA HORA DE MUDAR ESSE QUADRO!
# Marcelo Ramos 27-11-2011 03:54
Saudações Farmacêuticas! Destaco aqui que o farmacêutico merece o título de Doutor tanto quanto o médico, o dentista, ou o advogado pois somos o único profissional capacitado para realizar todas as etapas de produção do medicamento com o conhecimento químico, físico e biológico necessário e pergunto quem poderia produzir com tal conhecimento técnico? O que seria do médico se não tivesse o medicamento? Iria para o laboratório químico fazê-lo? Faz-me rir!! Sobre a tentativa em querer obter o medicamento quero lembrar que é o próprio consumidor que tenta convencer, criticar e subornar o farmaceutico na tentativa de fazê-lo burlar a legislação Sanitária do Brasil, e reclamam da necessidade de Receituário. Vejo muitas prescrições médicas realizadas de forma equivocada, faltando a concentração, dados, legibilidade e até a segunda via da receita. Por ultimo quero lembrar que somos forçados a trabalhar 44 horas semanais com um vil salário menor que de muitos técnicos.
# Cassio 27-11-2011 11:14
O programa só mostrou a verdade, hoje o profissional farmacêutico é comparado a um atendente isso começando pelo salário e forma como o mesmo trabalha, oito horas de pé, sábados, domingos e feriados. H0je muitos não estão contratados pela CLT e sim por contrato de trabalho como autõnomos para driblar a necessidade de mais farmacêuticos na drogaria. Isso é um problema que os CRF AUTORIZOU E É RESPONSABILIDAD E DELE ACABAR, PROIBIR FARMACÊUTICOS COM CONTRATO DE TRABALHO COMO AUTÔNOMOS.
# taciana 27-11-2011 14:04
GENTE SERIA BOM ATRAVÉS DESSE EPISÓDIO FORMULARMOS, UMA CORRENTE NA MÍDIA PARA NOS VALORIZAR.
# Marlon 01-12-2011 10:54
Farmaceutico Silva, bacharéis são bacharés não meu caro, eu estudei muito e bota nuito nisso, assim como todos os farmacêuticos, exijo o respeito como tal, não que chamar de Dr faça alguma diferença para nós farmacêuticos, pois sabemos da nossa competência, mas somos Doutores no sentido de reconhecimento pela importância, e devemos cobrar isso, exija respeito, sou farmacêutico porque quiz não por falta de escolha.
# Fer 08-12-2011 16:24
Nós farmacêuticos somos uns pobres coitados, após estudarmos um monte, estamos aí, trabalhando por micharia, tendo o patrão e o conselho nos vigiando, não temos liberdade pra trabalhar, pq se nao vendermos bonificado,o patrao coloca outro no seu lugar. E ainda tem gente q. acha q. escolheu uma boa profissão. Estou sim proucurando uma outra alternativa de renda e pretendo abandonar essa profissão, q. além de não ser nada gratificante, não serve nem pra sustentar a família. Mas q. bom q. ainda tem gente q. tem orgulho de ser chamado de doutor Farmacetico.
# Patriciafarma 15-12-2011 11:49
Bom dia "Fer". Com todo respeito que tenho pelo ser humano, não serei diferente com a sua pessoa. Se você trabalha em um estabelecimento onde o seu patrão "coloca outro no seu lugar" caso você não faça as vendas que ele deseja ao invés de trabalhar de acordo com as normas e leis, você está exatamente agindo como o personagem da série que estamos discutindo e não está se valorizando e se dando ao respeito. Se você concorda com esse tipo de atitude é outra história, mas pelo que me pareceu você está revoltada e simplesmente resolveu abandonar a profissão de difíceis anos de estudo (caso você tenha levado a sério o seu curso) por causa de 1 emprego, 1 estabelecimento . É claro que existe mais de 1 onde o responsável não tem ética (isso ocorre em vários estabelecimento s, não só a drogaria), mas existem vários que sim, trabalham conforme a ética, sabem se posicionar e sabem distinguir o certo do errado. Então antes de degledir a imagem da sua profissão, mude de emprego, ok?
# Fer 04-01-2012 16:40
Bom dia Patriafarma, q. bom q. apareceu alguem pra me dizer isso , eu ainda não sabia.Mas provavelmente vc deve ser dona de farmacia, e não conhece a realidade de quem é funcionario, falar é bem fácil. Pois é exatamente pq tenho ética q. estou revoltada sim com a profissão, e nao quero mais fazer parte disso. Vcs q. gostam, fiquem e aproveitem.
# Ancetra 20-01-2012 20:56
Puta bobagem!!