campanha vacina influenza

Na medida em que avançam os resultados dos testes com as vacinas em desenvolvimento, surge também a preocupação sobre a necessidade de planejamento acerca do volume necessário de seringas e agulhas para que toda a população possa ser protegida contra o Coronavírus.

 

 

O mundo vive a expectativa da aprovação de vacinas que possam proteger contra a Covid-19. Estudos de diferentes laboratórios acontecem em vários países e alguns deles já estão na terceira e decisiva etapa de testes. E, ao que tudo indica, a imunização deve começar já no primeiro semestre de 2021. Contudo, a boa notícia precisa ser bem planejada desde agora. Além da vacina propriamente dita, outros aspectos como distribuição e oferta de insumos como seringas e agulhas, precisam estar alinhadas com a alta demanda que virá com a iminente campanha global de vacinação em massa. Especialistas já começam a ventilar que o Brasil poderá se deparar com a mesma questão enfrentada com a falta de respiradores no início da pandemia. Situação difícil, mas passível de ser resolvida com planejamento.

Para a Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde (ABIMED) essa, infelizmente, é uma possibilidade. Para Fernando Silveira Filho, presidente executivo, os governos já deveriam estar se preparando para essa demanda e abrindo licitações e diálogo com o mercado. “O planejamento desde agora é fundamental para que a população brasileira não seja mais uma vez prejudicada”, fica o alerta do executivo.

Segundo fabricante do setor, a capacidade anual de produção no Brasil é de 1,5 bilhão de unidades dependendo do mix de modelos. Para se ter uma ideia a recente campanha nacional de vacinação contra o sarampo exigiu cerca de 260 milhões de unidades. Já no caso da imunização de todos os brasileiros contra o Coronavírus, este número poderá duplicar e, portanto, demanda cautela. “Diante deste cenário, a ABIMED como representante do setor, reforça que é imprescindível o planejamento adequado e imediato, como aliás já acontece em outras partes do mundo”, finaliza Fernando.

 

Sobre a ABIMED

A Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde (ABIMED) congrega empresas nacionais e multinacionais que representam cerca de 65% do setor de equipamentos e dispositivos médicos no Brasil (0,6% do PIB nacional). A Associação tem como princípio contribuir para a promoção de um ambiente saudável, sustentável e propício à inovação tecnológica e à competitividade de suas associadas nos mercados local e global, bem como contribuir para o desenvolvimento do setor de saúde no Brasil, com foco no paciente, propiciando à população brasileira acesso a tecnologias de saúde inovadoras e de alta performance. A ABIMED possui em seu DNA a ética e a transparência que pautam sua atuação na representação da indústria, seno a primeira entidade do setor a lançar um Código de Conduta para seus associados.