medicamento remedio

 

A Anvisa, em 2016, aprovou uma resolução que permite que os laboratórios peçam a nova classificação dos medicamentos que se enquadrem nos critérios avaliados. E para tornar o processo mais ágil, a Abimip criou, em parceria com a Gerência de Farmacovigilância da agência, uma ferramenta que agrupa os pedidos de acordo com o princípio ativo do produto. “A avaliação pode ser mais rápida, pois, mesmo que cada empresa identifique uma substância de forma diferente, o programa reconhece e consolida os pedidos em um mesmo grupo”, disse a vice-presidente executiva da Abimip, Marli Sileci.

A expectativa é que a Anvisa reclassifique pelo menos cinco medicamentos este ano. “Temos uma estimativa mais conservadora, até pela avaliação criteriosa que é feita pela agência. Há farmacêutica que entraram com pedido em 2016 e ainda não há um resultado”, disse Garcia da Silva.

Para retirar a obrigatoriedade de receituário de um medicamento, a Anvisa avalia sete critérios. Tempo de comercialização, segurança do medicamento, sintomas identificáveis, utilização por curto período de tempo, ser manejável pelo paciente, apresentar baixo potencial de risco e não apresentar dependência. “A nossa expectativa é que em 2030 25% do mercado brasileiro seja desses remédios reclassificados, ou suítes”, disse Garcia da Silva.

Em 2019, os medicamentos isentos de prescrição (MIP's) somaram R$ 17 bilhões, o que representou alta de 25% em relação às vendas de 2018. “Em volume, o aumento foi de 30%. Sem considerar líderes de vendas que agora são vendidos nas gôndolas das farmácias.”

 

Fonte: Valor Econômico
Jornalista: Ana Paula Machado