automedicacao ibuprofeno

O adolescente Calvin Lock, de 13 anos, sofreu uma infecção viral em 2012 e tomou uma única dose o analgésico líquido Nurofre, dado por sua mãe. O remédio contém ibuprofeno, substância comum utilizada na fabricação de remédio para febre e dor, e teve uma forte reação ao medicamento.

Ele perdeu 65% de sua pele e foi levado para a UTI onde precisou ser entubado e permanecer em máquinas para que continuasse vivo por três dias. O caso aconteceu em Littleport, Cambridgeshire, que fica a aproximadamente 80 quilômetro de Londres.

Após um erro no laudo dos médicos, onde foi afirmado que o adolescente possuía catapora, Calvin foi diagnosticada com a Síndrome de Stevens Johnson, que faz com que as células da pele comecem a morrer, dando aspecto de queimadura. Em seguida os médicos disseram que ele tinha desenvolvido a Necrólise Epidérmica Tóxica, o que siginifica que sua pele estava "queimando" de dentro para fora.

Uma das consequências da Síndrome de Stevens Jhonson adquiridas por Calvin foi uma doença ocular bastante dolorosa e progressiva que irá deixá-lo cego ao longo de dois anos. Em entrevista ao DailyMail, os pais disseram que a cicatrização excessiva após tomar o Ibuprofeno, causou erosões em sua córnea e cicatrizes das mucosas do olho, afetando as pálpebras.

Calvin também foi diagnosticado com fadiga crônica, ferimentos múltiplos na pele, na boca, na língua e na garganta, depressão e síndrome de estresse pós-traumático. Robyn Moult, 40, mãe do menino, disse que o sofrimento é diário.

"É uma condição auto-imune que nunca irá embora. Seu corpo está constantemente se atacando, e é devastador assistir isso. Calvin tem dores frequentes em seus olhos, e se ele se esquecer de usar seus colírios, ele se contorce de dor no chão. A doença também fez com que ele sofra de perda de memória, e ele frequentemente se esquece da dor, que o ataca sempre o surpreendendo", contou a mãe.

"Ele não quer mais sair com seus amigos, e sua personalidade mudou. Meu filho passou por tantos traumas que está precisando de tratamento psiquiátrico. Ele é muito inteligente e esperto, mas agora ele não se importa mais com a escola e está se negando a estudar. Ele acha que não terá futuro sem sua visão", contou a mãe.

Na entrevista, Sua mãe Robyn e seu padrasto Daryn Chambers, 49, afirmaram que pretendem processar os médicos pelo diagnóstico tardio, o que teria ocasionado uma exacerbação nas consequências da síndrome e retirado a chance de uma possível recuperação.

Fonte: Da Redação iBahia com informações do DailyMail