fiocruz 

O Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), por meio do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses, está atuando junto às Secretarias Municipal e Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, no esclarecimento de casos suspeitos de infecção por febre maculosa

 

 

Por meio do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses, o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) está atuando junto às Secretarias Municipal e Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, no esclarecimento de casos suspeitos de infecção por febre maculosa.

Até o momento, o Laboratório, que atua como Serviço de Referência junto ao Ministério da Saúde (MS) para Rickettsioses, confirmou por diagnóstico laboratorial um caso de infecção pela bactéria Rickettsia rickettsii em um paciente que foi a óbito no dia 23 de outubro. O processamento foi realizado por meio de análise molecular a partir da Reação em Cadeia pela Polimerase (PCR), que permite detectar a presença do material genético da bactéria.

 

 

Por Vinicius Ferreira (IOC/Fiocruz)