blister medicamento reciclagem

 

O que fazer com as cartelas vazias de remédio? Para alguns, o lixo é o único destino provável. No entanto, a Assistência a Reabilitação e Bem-estar de Convalescentes (Arbec) vende as cartelas e destina os recursos para compra de cadeiras de rodas, camas e muletas que dão significado à vida de pessoas que precisam dos equipamentos para se locomover ou ter mais conforto durante a recuperação de alguma doença.

Desde 2010, a Arbec empresta, por tempo indeterminado, equipamentos que auxiliam na recuperação das pessoas. A iniciativa surgiu enquanto Gilmar Ramos, de 44 anos, era motorista de ambulância em Maringá. Ele ganhou uma cadeira de rodas de uma paciente que transportava e que não precisava mais do equipamento. Após reformar a cadeira, ele emprestou novamente para outra pessoa que tinha o equipamento, mas que não estava em boas condições.

Foi a partir dessas duas cadeiras que surgiu a Arbec. Hoje, segundo o presidente da instituição, Gilmar Ramos, são mais de 5 mil empréstimos de cadeiras de banho, cadeiras de rodas, camas hospitalares, muletas, andadores, bengalas, tipoias e outros equipamentos. No site da Arbec, o mapa mostra vários empréstimos de equipamentos em Maringá e outras cidades da região como Mandaguaçu, Marialva, Mandaguari, Paiçandu e Sarandi.

Há cerca de dois meses, a Arbec conseguia os equipamentos por meio de doações ou promoções. No entanto, com objetivo de engajar as pessoas, Gilmar Ramos e outro amigo tiveram a ideia de reunir cartelas de medicamentos e vender os materiais para conseguir mais equipamentos. “Todo mundo tem uma cartela dessa em casa. Com essa atitude, a pessoa ajuda o meio ambiente e outra pessoa que precisa de uma cadeira”, afirma.

As cartelas passam por processo de separação em Londrina. De lá, o plástico vai para Minas Gerais e o alumínio para Porto Alegre. Todo o trabalho, desde o transporte até a separação, é feito de forma voluntária. “Nós também não recebemos o dinheiro. Quando acumulamos material que corresponde ao valor de uma cadeira, nós compramos a cadeira e mandamos o boleto para a empresa pagar”, explica o presidente da Arbec.

Segundo Gilmar Ramos, 700 kg de cartelas de medicamentos são suficientes para comprar uma cadeira de rodas. Em Maringá, 182 postos (confira os locais - https://www.arbec.com.br/ponto-de-coleta/) arrecadam os materiais. Até agora, de acordo com ele, a Arbec conseguiu 1.000 kg de material. Com o montante, a associação vai comprar uma cadeira de rodas que vai ser entregue durante uma cerimônia de apresentação dos resultados do projeto.

Ramos afirma que, 3.000 kg de cartelas de medicamentos, por exemplo, podem comprar uma cama hospital e ajudar crianças como a Maria Eduarda Simão, de 13 anos, que precisou de uma cama hospitalar em 2017. Com paralisia cerebral e epilepsia, Maria Eduarda desenvolveu uma escoliose e precisava da cama.

Ivone Aparecida Conceição, de 41, que cuida da filha sozinha, não tinha condições de dar o conforto necessário para Maria Eduarda. Por meio da Arbec, ela conseguiu uma cama que utilizou até o começo desse ano. Em fevereiro, Ivone Conceição recebeu uma ligação de um desconhecido que doou uma cama para Maria Eduarda e o equipamento da Arbec foi repassado para outro paciente.

Ivone Conceição dedica boa parte do dia para cuidar da filha. Mesmo assim, ela conta que faz o possível para ajudar a Arbec. “Não costumo sair de casa por causa minha filha, mas junto [as cartelas] em uma sacolinha, peço para os meus vizinhos, e eles [da Arbec] passam e recolhem. Ajudo, porque assim como precisei outras pessoas vão precisar e talvez eu possa precisar de novo também”.

 

 

Conheça a Arbec:
Endereço: Rua Pioneiro Antônio Fritzen, 2290 – Jardim Bertioga
Horário de atendimento: Segunda-feira a sexta-feira das 9h às 18h
Telefone: (44) 99995-4227

 

 

Escrito por Murillo Saldanha
Fonte: Maringá Post

Imagem: Foto reprodução/ Coleta realizada pela Aberc