retorno aula escola covid19

Atualizar e manter a vacinação de rotina em dia é a principal forma de proteção contra doenças imunopreveníveis como meningite, sarampo, pneumonia, coqueluche e catapora 4 6 7 8 9

 

 

Com a retomada gradativa de algumas atividades, o melhor momento para o retorno às aulas vem sendo discutido por vários estados e municípios do país. Neste cenário, medidas de segurança são adotadas, como uso de máscara, disponibilização de frascos de álcool em gel 70% e aferição da temperatura corporal, mas outras medidas em benefício da saúde de crianças e adolescentes merecem atenção.1

Uma delas é a manutenção de um calendário vacinal atualizado. Com a ressocialização e o aumento do contato entre as pessoas, é importante que crianças e adolescentes estejam protegidos contra outras doenças para as quais já existem prevenção, como meningite, sarampo, pneumonia, catapora, coqueluche, entre outras.4 6 7 8 9

Segundo Dr. Emersom Mesquita (CRM 5281409-1), infectologista e gerente médico de vacinas da GSK, o ambiente escolar favorece o contágio de muitas doenças imunopreveníveis. "É crucial que os pais saibam da importância de imunizar e atualizar a caderneta de vacinação das crianças e dos adolescentes antes da volta às aulas. O aumento do contato social através do retorno às escolas, favore a exposição dos indivíduos ao contato com diversas doenças para as quais já existem vacinas disponíveis. Por exemplo, nosso país vem observando o retorno e expansão do sarampo em determinadas regiões. A transmissão do sarampo se dá pela tosse ou espirro, por exemplo, mesma forma de transmissão da própria COVID-19, hoje tema de discussão principal para definição do melhor momento de volta às aulas. Outro exemplo é a meningite, transmitida de pessoa a pessoa por meio de secreções e gotículas do nariz e garganta", alerta o Dr. Emersom.

 

Vacinação de rotina é um serviço essencial e deve ser mantida mesmo durante a pandemia

A recomendação das principais instituições de saúde no mundo, como Organização Mundial de Saúde (OMS) e Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), além do Ministério da Saúde, Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), é que a vacinação de rotina deve ser mantida mesmo nesse cenário de pandemia. A interrupção da vacinação, mesmo que por um breve período, pode aumentar a probabilidade de surtos e o número de indivíduos suscetíveis à graves doenças imunopreveníveis.2 3 4 5

O retorno das crianças e dos adolescentes às escolas reforça a importância dessa recomendação. "Com a pandemia da COVID-19 vimos uma queda preocupante nas coberturas vacinais. É preciso destacar que, além do benefício individual, a vacinação traz benefícios coletivos através da proteção ou imunidade de rebanho - a proteção ou imunidade de rebanho ocorre quando indivíduos vacinados e que desenvolveram proteção interrompem a transmissão de uma doença para indivíduos não vacinados ou que não desenvolveram proteção -. Por isso, é tão importante mantermos o calendário de vacinação em dia, e não apenas das crianças, mas também dos pais e das demais pessoas que estão no convívio social", afirma Dr. Emersom.

 

Proteção contra mais de 40 doenças

O Ministério da Saúde orienta a vacinação em todas as faixas etárias de acordo com o calendário do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e todas as vacinas recomendadas no PNI estão disponíveis gratuitamente nos postos de saúde pelo Sistema Único de Saúde (SUS).6 7 8 9 Essas vacinas oferecem proteção para diversas doenças como poliomielite, coqueluche, hepatite, tuberculose, pneumonia, meningite, febre amarela, sarampo, gripe, entre outras.6-9 Ao todo, o programa contempla 19 vacinas que protegem contra mais de 40 doenças.6

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) possuem calendários de vacinação com recomendações que complementam o PNI, abrangendo também vacinas que atualmente só estão disponíveis na rede privada, para a imunização não apenas das crianças, mas de todas as faixas etárias.10 11

   

Referências:

1 GOVERNO DO BRASIL. MEC anuncia protocolo para volta às aulas em institutos federais. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2020.
2 PAN AMERICAN HEALTH ORGANIZATION. Immunization Newsletter. The Immunization Program in the Context of the COVID-19 Pandemic. March 2020. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2020.
3 ORGANIZAÇÃO PAN AMERICANA DA SAÚDE. Diretora da OPAS pede continuidade na vacinação para evitar risco de outros surtos durante pandemia de COVID-19. Disponível em:. Acesso em: 24 jul. 2020.
4 SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Informe Técnico (09/04/2020). Vacinação de rotina durante a pandemia de COVID-19. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2020.
5 WORLD HEALTH ORGANIZATION. Princípios orientadores para as atividades de vacinação durante a pandemia de COVID-19. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2020.
6 BRASIL. Ministério da Saúde. Vacinação é a maneira mais eficaz para evitar doenças. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2020.
7 BRASIL. Ministério da Saúde. Calendário nacional de vacinação da criança. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2020.
8 BRASIL. Ministério da Saúde. Calendário Nacional de Vacinação do Adolescente 2020. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2020.
9 BRASIL. Ministério da Saúde. Calendário nacional de vacinação do adulto e idoso. Disponível em:. Acesso em: 24 jul. 2020.
10 SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Calendário vacinal SBIm 2019/2020: do nascimento a terceira idade (atualizado em 21/01/2020). Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2020.
11 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Calendário de vacinação da SBP 2020. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2020.