retorno aula escola covid19

Um total de 1,4 milhão de alunos em Wuhan começa as aulas nesta terça-feira, 1º de setembro de 2020. (Foto: Xinhua)

 

 

Com uma mistura de nervosismo e excitação, muitos estudantes na China iniciaram o novo ano letivo nesta terça-feira.

Em Wuhan, uma megacidade outrora atingida pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 que causa a COVID-19, foram abertos 2.842 jardins de infância, escolas primárias e secundárias na terça-feira para acolher cerca de 1,4 milhões de alunos.

De acordo com Wang Chifu, vice-diretor do departamento de educação da cidade, os alunos do ensino fundamental e médio em Wuhan devem levar máscaras, mas não precisam usá-las na escola.

Wuhan atualmente não tem casos de COVID-19. Segundo o balanço de segunda-feira, havia 216 casos confirmados da doença na parte continental da China.

Embora a epidemia da COVID-19 tenha declinado na China, as escolas de todos os níveis continuam adotando medidas antiepidêmicas rigorosas para proteger a saúde dos estudantes.

Por volta das 7 da manhã, os alunos do último ano da Escola Secundária Nº 49 de Wuhan entraram no campus para novo semestre. Depois de terem suas temperaturas medidas, eles foram guiados para suas salas de aula ao longo de um percurso especialmente projetado. Dez minutos mais tarde, os alunos de outra série ingressaram na escola por outro itinerário.

"A segurança e a saúde dos professores e alunos são nossa maior prioridade", disse Yin Weiguo, funcionário da escola. "Uma desinfecção completa foi realizada em todas as salas de aula, cantinas, dormitórios e banheiros e será executada todos os dias. Materiais antiepidêmicos como máscaras e higienizadores de mãos também estão disponíveis em todas as salas de aula".

Medidas semelhantes estão sendo implementadas nas escolas de todo o país, com alunos em Shanghai, Sichuan, Jiangsu, Guangdong e Yunnan também iniciando o novo semestre letivo nesta terça-feira.

Também na terça-feira em Shanghai, mais de 1,5 milhão de estudantes das escolas primárias e secundárias começaram a estudar, enquanto em Shenzhen, os alunos de 2.628 jardins de infância, escolas primárias e secundárias também voltaram à escola.

"A maior mudança neste semestre é que não precisamos mais usar máscaras nas aulas", comemorou Gan Siqi, aluno do segundo ano de uma escola secundária da cidade de Liuyang na Província de Hunan, centro da China. "Embora ainda tenhamos que medir a temperatura corporal regularmente, não estamos tão tensos quanto no semestre passado."

 

Fonte: Xinhua