fake news vacina youtube

Imagem: Análise do grupo União Pró-Vacina em 213 postagens entre 15 e 21 de março nos dois maiores grupos públicos brasileiros de conteúdo antivacina no Facebook – Fonte: União Pró-Vacina.
Autores e YouTube se beneficiam financeiramente do material, em meio à guerra política e informacional que atenta contra a saúde pública.

 

 

Você abre o grupo da família no WhatsApp e se depara com uma “informação sigilosa”: o novo coronavírus foi criado em laboratório para eliminar 90% da população mundial. E quem não morrer pela doença corre o risco de morrer ao ser vacinado contra a covid. Ou ter um chip implantado no cérebro. Ou ter o DNA alterado para manipulação genética. Essas teorias conspiratórias encontram eco, principalmente, em aplicativos de mensagem, como WhatsApp e Telegram, além de redes sociais como Facebook e Instagram. Na plataforma de vídeos YouTube não é diferente.

E o pior: há quem lucre com essa desinformação. Uma análise feita pela União Pró-Vacina (UPVacina) – iniciativa que reúne instituições da USP, em Ribeirão Preto, e outros setores da sociedade – mostra que as mudanças recentes nas diretrizes de remoção de conteúdo falso no YouTube não foram suficientes para barrar a disseminação de desinformação sobre vacinas contra a covid-19. O levantamento foi feito com base em links e canais compartilhados nos principais grupos antivacina do Brasil e comprovou a falta de eficiência da plataforma em cumprir essa nova política.

Além disso, a monetização dos vídeos está permitindo que tanto os autores quanto o próprio YouTube se beneficiem financeiramente do material, em meio a uma guerra política e informacional que atenta diretamente contra a saúde pública e cobra seu preço em vidas.
O estudo encontrou e mapeou 65 vídeos que somam cerca de 3,8 milhões de visualizações, publicados entre 2 de março e 21 de outubro por 37 canais diferentes, com aproximadamente 3,1 milhões de inscritos.

Entre os principais temas, mentiras tradicionalmente utilizadas pelos grupos antivacina, como presença de células de fetos abortados na composição dos imunizantes e uso dessas substâncias para inserir microchips ou alterar o DNA humano com o propósito de controlar a população. Outras já se inserem no contexto da pandemia, como uma suposta negociação da vacina contra covid-19 antes mesmo do conhecimento da existência do novo coronavírus. No total, são quase 30 horas de vídeos.

 

Vídeos no YouTube com conteúdo falso sobre as vacinas para a covid-19 disseminados em grupos antivacina

Quantidade de vídeos - 65
Quantidade de canais - 37
Total de visualização - 3,8 milhões
Total de horas - 29:41:33

Aviso de conteúdo sobre a covid-19
- 60 vídeos Sem aviso 92,3%
- 5 vídeos Com aviso 7,7%

Monetização dos vídeos
- Não monetizado52,3%
- Monetizado 47,7%

 

Alerta contra a desinformação

Desde 20 de maio, o YouTube afirma ter uma política para informações médicas incorretas relacionadas à covid-19. Basicamente, a plataforma diz não permitir o envio de conteúdo que contrarie orientações da Organização Mundial da Saúde ou autoridades de saúde locais sobre tratamento, prevenção, diagnóstico e transmissão da doença.

No início de outubro, houve uma atualização importante proibindo a desinformação sobre vacinas contra covid-19. Porém, menos de 8% dos vídeos analisados no estudo atual continham qualquer tipo de alerta da plataforma. Outro fator preocupante é que quase metade deles (31) está monetizado.

A UPVacina destaca que a questão se torna extremamente crítica porque, além de possibilitar a disseminação em larga escala desse tipo de conteúdo, o YouTube também viabiliza financeiramente esse sistema, ao lucrar com a desinformação e repassar parte do valor aos produtores. A análise completa com gráficos e links está disponível no site do Instituto de Estudos Avançados da USP – Polo Ribeirão Preto (IEA-RP).

 

Facebook

Uma análise anterior do grupo, divulgada em março, mostrou que, no Facebook, grupos tradicionalmente conhecidos por disseminarem informações falsas sobre vacinas, de modo geral, haviam mudado o alvo e estavam se concentrando na covid. A análise foi feita com dois dos maiores grupos públicos antivacina da rede social no Brasil.

Os métodos da desinformação eram o de distorcer conteúdo científico e jornalístico, espalhar teorias da conspiração e até oferecer falsas curas usando produtos conhecidamente tóxicos para a saúde humana. Entre as publicações, havia insinuações de que o vírus seria uma ferramenta para instituir uma nova ordem mundial ou mesmo uma arma produzida pela China. Outras afirmavam que a vacina da gripe seria a responsável pela disseminação da covid-19 e que a doença seria facilmente curada por meio da frequência do cobre ou de zappers, supostos antibióticos eletrônicos.

A União Pró-Vacina analisou 213 postagens feitas entre 15 e 21 de março nos grupos O Lado Obscuro das Vacinas e Vacinas: O Maior Crime da História, que atuam há cinco e dois anos, respectivamente.

 

Características das publicações sobre o coronavírus

O conteúdo das postagens era preocupante: 78,4% apresentavam sérios problemas, como a disseminação de teorias da conspiração, utilização de informações falsas e de afirmações sem evidências, a distorção de informações confiáveis, a sugestão de uso e até a comercialização de produtos e tratamentos que não possuem comprovação científica ou aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Segundo dados da União Pró-Vacina divulgados em março deste ano, Facebook e Twitter iriam remover conteúdos falsos sobre o coronavírus e direcionar os usuários que buscam informações sobre a pandemia para o Ministério da Saúde. No Instagram, a ação era semelhante, mas o redirecionamento era feito para a página da Organização Mundial da Saúde.

Já o WhatsApp, que é de propriedade do Facebook, não consegue coibir a disseminação das notícias falsas por conta da criptografia das mensagens. Portanto, o próprio usuário precisa estar atento às informações que recebe para não colaborar com essa propagação.

 

Impacto negativo na imunização

A ação de grupos antivacina é um dos fatores que estão impactando negativamente campanhas de imunização em todo o mundo. No Brasil, por exemplo, em 2019, o país não conseguiu bater a meta de vacinar 95% do público-alvo em nenhuma das 15 vacinas do calendário anual. Foi a primeira vez em 25 anos que isso aconteceu.

Por conta disso, doenças que já estavam praticamente erradicadas por aqui, como o sarampo, estão voltando com força e fazendo um grande número de vítimas fatais. O País alcançou o 5° lugar no ranking mundial de casos da doença em 2019.

 

Sobre a União Pró-Vacina

A União Pró-Vacina é uma iniciativa organizada pelo Instituto de Estudos Avançados (IEA) Polo Ribeirão Preto da USP em parceria com o Centro de Terapia Celular (CTC), o Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias (CRID), os projetos de divulgação científica Ilha do Conhecimento e Vidya Academics, e o Gaming Club da FEA-RP.

O objetivo é unir instituições acadêmicas e de pesquisa, poder público, institutos e órgãos da sociedade civil para combater a desinformação sobre vacinas, planejando e coordenando atividades conjuntas durante todo o ano de 2020, explorando as potencialidades de cada instituição participante.

Entre as ações que serão realizadas estão: colaboração para elaboração e melhoria de políticas públicas; produção de material informativo; intervenções em escolas, espaços públicos e centros de saúde; eventos expositivos; combate às informações falsas e desenvolvimento de games.

(Com informações do Instituto de Estudos Avançados da USP – Polo Ribeirão Preto)

 

Por Jornal da USP