colchicina colcorona 

O estudo do Montreal Heart Institute sobre a Colchicina ainda não foi publicado, este artigo possui como fonte as informações divulgadas pelo MHI.

 

 

O Montreal Heart Institute (MHI) anunciou hoje que o ensaio clínico COLCORONA forneceu resultados clinicamente convincentes da eficácia da colchicina para tratar COVID-19. Os resultados do estudo mostraram que a colchicina reduziu em 21% o risco de morte ou hospitalizações em pacientes com COVID-19 em comparação com o placebo. 

O estudo englobou 4.159 pacientes nos quais o diagnóstico de COVID-19 foi comprovado por um teste de PCR nasofaríngeo. A colchicina foi associado a reduções estatisticamente significativas no risco de morte ou hospitalização em comparação ao placebo.

Nestes pacientes com diagnóstico comprovado de COVID-19, a colchicina reduziu as hospitalizações em 25%, a necessidade de ventilação mecânica em 50% e as mortes em 44%. Esta importante descoberta científica torna a colchicina o primeiro medicamento oral do mundo que pode ser usado para tratar pacientes não hospitalizados com COVID-19.

“Nossa pesquisa mostra a eficácia do tratamento com colchicina na prevenção do fenômeno da 'tempestade de citocinas' e na redução das complicações associadas a COVID-19”, disse o Dr. Jean-Claude Tardif, Diretor do Centro de Pesquisa MHI, Professor de Medicina da Université de Montreal e pesquisador principal do estudo COLCORONA. “Temos o prazer de oferecer o primeiro medicamento oral do mundo cujo uso pode ter um impacto significativo na saúde pública e potencialmente prevenir complicações da COVID-19 para milhões de pacientes.”

O tratamento de pacientes com risco de complicações com colchicina, assim que o diagnóstico de COVID-19 é confirmado pela PCR, reduz o risco de desenvolver a forma grave da doença e, consequentemente, diminui o número de hospitalizações. A prescrição de colchicina aos pacientes pode ajudar a aliviar os problemas de congestão hospitalar e reduzir os custos de saúde aqui e em todo o mundo.

“Nosso programa de pesquisa inovador também prova que o Montreal Heart Institute pode fazer descobertas científicas rápidas de uma forma que seja economicamente viável para os pacientes, reaproveitando os medicamentos existentes”, continuou o Dr. Jean-Claude Tardif.

 

Sobre a Colchicina

Colchicina ou colquicina é um medicamento utilizado no tratamento das crises agudas de gota e na prevenção das crises agudas nos pacientes com artrite gotosa crônica.

A Colchicina é um alcaloide derivado do Colchicum autumnale que interfere nas funções do citoesqueleto celular pela inibição da polimerização da β-tubulina em microtúbulos, inibindo a ativação, a degranulação e a migração dos neutrófilos associados com a mediação dos sintomas da gota. 

A colchicoterapia pode ser indicada na Febre Familial do Mediterrâneo e em casos de escleroderma, poliartrite associada à sarcoidose e psoríase. Também é eficaz no tratamento clínico da Doença de Peyronie atuando na redução do processo inflamatório.

 

Outros estudos sobre a Colchicina

Em agosto foi publicado também o artigo Beneficial effects of colchicine for moderate to severe COVID-19: an interim analysis of a randomized, double-blinded, placebo controlled clinical trial pode ser lido em www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.08.06.20169573v2.full.pdf

 

Sobre o estudo COLCORONA

COLCORONA é um ensaio clínico sem contato, randomizado, duplo-cego e controlado por placebo realizado em casa. Foi realizado no Canadá, Estados Unidos, Europa, América do Sul e África do Sul. Foi desenhado para determinar se a colchicina poderia reduzir o risco de complicações graves associadas ao COVID-19. COLCORONA foi conduzido entre aproximadamente 4.500 pacientes COVID-19 não hospitalizados no momento da inscrição, com pelo menos um fator de risco para complicações COVID-19. Este é o maior estudo do mundo testando um medicamento administrado por via oral em pacientes não hospitalizados com COVID-19.

COLCORONA foi coordenado pelo Centro de Coordenação de Inovações de Saúde de Montreal (MHICC) do Montreal Heart Institute e financiado pelo Governo de Quebec, Instituto Nacional de Coração, Pulmão e Sangue dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH), filantropa Sophie Desmarais de Montreal, e o COVID-19 Therapeutics Accelerator, uma iniciativa lançada pela Fundação Bill & Melinda Gates, Wellcome e Mastercard. CGI, Dacima e Pharmascience of Montreal também foram colaboradores no julgamento. 

 

 

Por Fábio Reis 

* A reprodução é permitida desde que citada a fonte com link para https://pfarma.com.br