coronavirus microscopia

Primeiro caso de reinfecção pela covid-19 no Brasil ocorreu em julho de 2020, diz estudo. E farmacêutico do sergipe foi o primero caso de óbito por covid-19 no país.

 

Farmacêutico sergipano de 44 anos foi o primeiro caso brasileiro de óbito confirmado por reincidência causada pelo coronavírus SARS-CoV-2 no Brasil. Ele teve 9 dias de sintomas leves durante o primeiro episódio e um qRT-PCR positivo em maio. Retornou ao trabalho e apresentou recorrência dos sintomas 38 dias após o primeiro episódio, com segunda PCR positiva em 13 de junho. Durante o episódio recorrente, apresentou sintomas respiratórios graves e foi internado na UTI, falecendo após 20 dias dos sintomas. Não foi possível recuperar a amostra do vírus do primeiro episódio, mas o vírus foi isolado da recorrência e analisado

O estudo foi publicado na revista Journal of Infection com o título "Recurrent COVID-19 including evidence of reinfection and enhanced severity in thirty Brazilian healthcare workers" foi publicado por pesquisadores da Universidade Federal de Sergipe (UFS) em parceira com outras oito instituições.

 

Reinfecções podem ser mais graves

Os pacientes tenderam a apresentar maior frequência de sintomas associados à gravidade da doença na recorrência, em comparação ao primeiro episódio, mas as diferenças não alcançaram significância estatística.

Por exemplo, mialgia foi observada em 72,7% dos pacientes na recorrência versus 48,5% no primeiro episódio e dispneia em 57,6% na recorrência versus 33,3% no primeiro episódio. Sessenta por cento dos pacientes foram atendidos em um pronto-socorro durante a recorrência contra 57,6% no primeiro episódio. A tomografia foi solicitada em 75,8% dos pacientes durante a recidiva, sendo 52% compatível com padrão COVID-19 (12% apresentando lesões moderadas a graves), enquanto a tomografia foi solicitada em 33,3% no primeiro episódio e 18. 2% era compatível com um padrão COVID-19 leve. 

A hospitalização foi necessária em 12,1% na recidiva, mas nenhum paciente no primeiro episódio de COVID-19, 2 necessitando de internação na UTI, um deles faleceu, o farmacêutico de 44 anos que possuia comorbidade como hipertensão arterial sistêmica.

 

Sobre o estudo

 

Resumos:
- O estudo descreveu 33 pacientes com COVID-19 recorrente e PCR positivo.
- A recorrência está associada ao trabalho como profissional de saúde e baixa resposta de IgG à infecção.
- A evidência do sequenciamento diferencial do vírus entre o primeiro e o segundo episódio apóia a reinfecção de novo .
- Os episódios recorrentes tendem a ser mais graves, com uma infecção fatal.
Resumo

 

O estudo observeu 33 relatatos de COVID-19 recorrente, sintomático, qRT-PCR positivo. A doença recorrente foi definida como recorrência sintomática após recuperação clínica sem sintomas, com liberação do isolamento> 14 dias a partir do início dos sintomas confirmada por qRT-PCR. O desenho do estudo caso-controle comparou este grupo de pacientes com um grupo controle de 62 pacientes selecionados aleatoriamente do mesmo banco de dados COVID-19.

Os pesquisadores observaram que os anticorpos contra o coronavírus SARS-CoV-2 foram significativamente menores em pacientes recorrentes após a COVID-19 inicial (2,4 ± 0,610; p <0,0001) e após a recorrência (6,4 ± 11,34; p  = 0,007). O sequenciamento do genoma do coronavírus identificou a reinfecção diferente em um dos vírus isolados em um paciente.

 

Primeiro caso de reinfecção pela covid-19 no Brasil ocorreu em julho de 2020

O primeiro caso de reinfecção pelo novo coronavírus no Brasil ocorreu em julho do ano passado e atingiu uma técnica de enfermagem, de 40 anos, que reside em Aracaju.

A profissional de saúde testou positivo para o Sars-CoV-2 duas vezes no intervalo de 54 dias, entre maio e julho do ano passado. Ela realizou dois testes RT-PCR, considerado o método padrão ouro para diagnosticar a infecção pelo novo vírus.

Antes do estudo acreditava-se que o primeiro caso de reinfeção por covid-19 era de uma médica do Rio Grande do Norte, em 23 de outubro de 2020.

 

Por Fábio Reis 

* A reprodução é permitida desde que citada a fonte com link para https://pfarma.com.br