lockdown china coronavirus covid19

 

 

O domingo marca dois anos do lockdown em Wuhan, imposto pelo governo chinês para conter o alastramento do então novo coronavírus.

A medida foi adotada na cidade localizada na província de Hubei após a confirmação do primeiro surto de Covid-19 no mundo, ocorrido na região. Ela permaneceu em vigor por dois meses e meio.

O sistema de saúde de Wuhan entrou em colapso com o rápido aumento no número de pacientes.

Segundo autoridades, mais de 3,8 mil pessoas morreram da doença em Wuhan até abril de 2020. A cidade voltou à normalidade posteriormente e casos transmitidos localmente não são identificados desde agosto do ano passado.

Na China, o governo central tem mantido uma política de “Covid Zero” para prevenir o alastramento do vírus. O país continua aplicando testes do tipo PCR de maneira massiva e impondo lockdowns em áreas onde infecções forem identificadas.

A cidade de Xian, na província de Shaanxi, foi alvo recente de um lockdown no país. A medida foi imposta em dezembro e continua em vigor em alguns bairros. Com uma população de cerca de 13 milhões, o número de pessoas afetadas pelo lockdown em Xian é equivalente ao de Wuhan.

As autoridades também isolaram algumas áreas em Pequim, na cidade vizinha de Tianjin e em outros locais onde casos de infecção pela variante ômicron foram identificados.

Oficiais do governo tentam a todo custo conter o vírus em antecipação à Olimpíada de Inverno de Pequim, cuja cerimônia de abertura está marcada para o dia 4 de fevereiro.

 

Com informações da TV Japonesa NHK