cuba coronavirus

O medicamento cubano PEG-Heberon (IFNrec) é produzido desde o dia 25 de janeiro na fábrica chinesada  Chang-Heber.

 

 

O Interferon alfa 2B hu-rec conjulgado a polietilenoglicol (IFNrec), que é comercializado com o nome de PEG-Heberon, é um fármaco desenvolvido pelo Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB) de Havana e comercializado por BioCubaFarma, grupo da Indústria Biotecnológica e Farmacêutica de Cuba.

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, destacou o uso do Interferon alfa 2B pelo governo chinês para combater o coronavírus 2019-nCoV.

“Nosso apoio ao governo chinês e ao povo em seus esforços para combater o coronavírus”, disse Miguel Díaz em sua conta no twitter;

O medicamento cubano é produzido desde o dia 25 de janeiro na fábrica chinesa Chang-Heber, localizada na cidade de Changchun, na China.

Até o momento o medicamento conseguiu curar mais de 1.500 pacientes e é um dos 30 medicamentos escolhidos pela Comissão Nacional de Saúde da China para curar a condição respiratória.

“O interferon alfa 2B tem a vantagem de que, em situações como essa, é um mecanismo para se proteger, seu uso impede que pacientes com a possibilidade de agravar e complicar cheguem a esse estágio e, finalmente, tenham a morte como resultado”, disse Granma ao jornal. Luis Herrera Martínez, consultor científico e comercial do grupo de negócios BioCubaFarma.

Durante anos, foi feita uma transferência de tecnologia para a província chinesa, o que resultou na planta conjunta em que o produto é fabricado “exatamente com a mesma tecnologia que a nossa, e que responde aos padrões de qualidade aprovados pelas autoridades” de ambos os países, acrescentou Martínez.

O IFNrec também é aplicado contra infecções virais causadas pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), papilomatose respiratória causada por papiloma humano, condiloma acumulado e hepatite tipos B e C, além de terapias contra vários tipos de câncer.

 

 

Sobre o PEG-Hebron: Interferon alfa 2B hu-rec conjulgado a polietilenoglicol (IFNrec)

 

interferon alfa 2b peg heberon cuba

 

O Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Cuba tem experiência na produção de interferon alfa desde 1981 e conta com a tecnologia necessária para transformar a proteína em interferon peguilado.

O interferon alfa-2b cubano se apresenta na forma farmacêutica de solução injetável de um mililitro para ser administrado por via subcutânea.

Cada dose contém 180 microgramas de princípio ativo e seu nível de distribuição é hospitalar. Em 2010, começou sua introdução no quadro básico de medicamentos do sistema nacional de saúde de Cuba.

 

 Texto por Fábio Reis para PFARMA

 

Leia também:

Alta do dólar e coronavírus podem fazer medicamento ficar mais caro no Brasil

Índia limita exportação de medicamentos por causa do Coronavírus