industria farmaceutica producao medicamento

 

A Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), que é composta por laboratórios nacionais e internacionais de pesquisa e o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma) publicaram orientações relativas ao Coronavírus COVID-19. Confira as duas notas:

 

INTERFARMA: Industria de pesquisa farmaceutica compromissos para soluções à crise do COVID-19

 

A Interfarma é a associação que congrega mais de 50 laboratórios nacionais e internacionais de pesquisa farmacêutica.

Os impactos e dispersão do Coronavirus no País e pelo mundo continuam preocupantes. Assim, ao reiterar aqui os compromissos da Interfarma em zelar pela saúde do paciente brasileiro e demonstrar à sociedade a importância das pesquisas médicas e farmacêuticas emitimos essa nota de esclarecimento e informação:

 

Medidas Internas

• Interfarma e empresas têm restringido reuniões com participantes externos com o objetivo de proteger seus colaboradores e parceiros e contribuir com as autoridades para conter a dispersão do vírus;

  • Para não prejudicar a continuidade das atividades setoriais, as reuniões da Interfarma serão conduzidas remotamente, até que a situação se normalize;
  • Reuniões presenciais na Interfarma, quando inevitáveis, estão restritas ao máximo de 5 pessoas. Algumas das associadas têm adotado o número limite de 10 pessoas, desde que mantidas todas as precauções como respeito a distância mínima entre participantes, e higienização das mãos;

• Também estão restritas as viagens nacionais e internacionais, aos casos estritamente necessários;

• Eventos externos, organizados ou com a participação da entidade foram adiados;

• Sistema de home office tem sido adotado pela maioria das empresas.

• Visitas de representantes de vendas a hospitais, laboratórios e clínicas estão sendo interrompidas em todo o País

 

Compromissos Setoriais

• A Interfarma e suas associadas estão comprometidas com os esforços nacionais e globais para auxiliar no tratamento das pessoas afetados pelo COVID 19, bem como conter a dispersão do vírus;

• Interfarma e suas associadas realizam grandes esforços para antecipar riscos de oscilações e garantir a integridade da cadeia global de medicamentos e insumos farmacêuticos diversos. Adicionalmente, a produção de medicamentos continua ativa e seguindo os mais altos padrões de segurança sanitária. Até o momento, o fornecimento de terapias no País segue dentro da normalidade;

• As empresas associadas à Interfarma e a própria Entidade estão colaborando com as autoridades de
saúde pública do País, incluindo a ANVISA, Ministério da Saúde, além do Ministério da Economia e
do governo do Estado de São Paulo para enfrentar essa crise, com vias a acelerar processos e ao
mesmo tempo manter os mais altos padrões de segurança para o paciente.

 

Medidas Globais

• Globalmente, a indústria farmacêutica tem protagonizado iniciativas essenciais de combate e tratamento ao COVID-19, com parcerias com governos e organizações internacionais, em busca de ações efetivas, focadas no paciente e na contenção do vírus.

• Entre as iniciativas globais, algumas das associadas da Interfarma tem trabalhado com esforços concentrados em novas alternativas terapêuticas, medicamentos e vacinas, além da ampliação de diagnóstico.

• Informações adicionais sobre os esforços das indústria bio-farmacêutica no âmbito internacional podem ser encontradas em https://efpia.eu/news-events/the-efpia-view/statements-pressreleases/european-pharmaceutical-industry-response-to-coronavirus/ ou https://phrma.org/FactSheet/The-Biopharmaceutical-Industry-is-Leading-the-Way-in-Developing-New-Vaccines-andTreatments-for-COVID-19

 

Recomendação

A recomendação da Interfarma dado que o vírus ainda está em estágio de dispersão avançada, é que em
todas as situações possíveis, as atividades presenciais sejam evitadas.
No entanto, a decisão de medidas especificas cabe a cada empresa e suas estratégias individuais.

 

 

 

CORONAVÍRUS: Sindusfarma compartilha recomendações para os Associados

Com o objetivo de colaborar com as empresas associadas no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus COVID-19, o Sindusfarma compartilha medidas que estão sendo adotadas por várias empresas do setor farmacêutico para proteger a saúde de seus funcionários e adaptar suas rotinas de trabalho, visando preservar a capacidade operacional.

 

VIAGENS

Restringir as viagens nacionais e internacionais, em caráter profissional e pessoal, aos casos estritamente necessários, sempre com prévia autorização das chefias.

 

EVENTOS EXTERNOS

Eventos externos devem ser adiados. Se forem inadiáveis, canais virtuais devem ser utilizados, como videoconferências e outros meios de comunicação à distância.

 

EVENTOS INTERNOS / TREINAMENTOS

Eventos internos e treinamentos devem ser adiados. Se forem inadiáveis, canais virtuais devem ser utilizados, como videoconferências e outros meios de comunicação à distância.

 

REUNIÕES INTERNAS

Reuniões presenciais internas devem reunir, no máximo, 10 participantes e respeitar distância mínima de um metro entre cada pessoa. O Sindusfarma adotou o máximo de cinco participantes em suas reuniões presenciais.

Algumas empresas estão priorizando a realização de reuniões virtuais, por videoconferências e outros meios de comunicação à distância.

 

VISITAS A HOSPITAIS

Recomendamos que as visitas presenciais a hospitais devem ser suspensas; se possível, os contatos podem ser feitos pelos meios de comunicação à distância (e-mail, WhatsApp, Skype, FaceTime, entre outros).

 

VISITAS A CONSULTÓRIOS

Algumas empresas estão mantendo as visitas de seus representantes aos consultórios, recomendando os necessários cuidados de higiene e prevenção.

 

HOME OFFICE

Empresas estão adotando o trabalho remoto nas residências (home office) para os funcionários com mais de 60 anos de idade.
Algumas empresas estenderam a todos os funcionários administrativos o trabalho remoto nas residências (home office). 

 

VACINAÇÃO CONTRA GRIPE

As campanhas anuais de vacinação contra gripe estão sendo antecipadas.

 

HORÁRIOS FLEXÍVEIS

Na medida do possível, as empresas devem flexibilizar os horários de expediente nos ambientes de trabalho, para reduzir a concentração de pessoas e permitir que os funcionários evitem os horários de pico no transporte para/da empresa.

Na medida do possível, adotar turnos e escalas de trabalho nos diversos departamentos das unidades, dividindo as equipes em grupos por horários e dias/semanas alternados.

 

LINHAS DE PRODUÇÃO / FÁBRICAS

O Sindusfarma sugere que as empresas criem comissões de crise com os profissionais de suas unidades de produção para, de forma transparente, acompanhar, discutir e adotar planos de contingência nas linhas de produção que eventualmente sejam afetadas pelos desdobramentos da pandemia de COVID-19.

  

Texto por Fábio Reis para PFARMA

* A reprodução é permitida, desde que citada a fonte com link para https://pfarma.com.br 

 

Leia também:

Cientistas brasileiros já trabalham em uma candidata à vacina contra o coronavírus

Israel vai testar vacina oral contra o Coronavírus

Alta do dólar e coronavírus podem fazer medicamento ficar mais caro no Brasil

Índia limita exportação de medicamentos por causa do Coronavírus