preso farmaceutico policia civil

 

A Polícia Civil do Distrito Federal, por meio da Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado – Cecor, deflagrou, na última sexta-feira (11), a Operação Alquimia com o cumprimento de cinco mandados de prisão temporária e oito mandados de busca e apreensão em desfavor de um grupo de indivíduos suspeitos de praticarem um esquema de tráfico de drogas e comércio ilegal de medicamentos, utilizando-se para isso de uma farmácia localizada no Recanto das Emas. 

A operação contou também com a participação de peritos do Instituto de Criminalística – IC e apoio da Divisão de Operações Aéreas – DOA da PCDF e da Diretoria de Vigilância Sanitária do DF – Divisa.

Segundo apurado, o líder do grupo é um farmacêutico que foi sócio de uma empresa de distribuição de medicamentos até julho do ano de 2017, quando deixou a sociedade. Já fora da empresa, no ano de 2018, o suspeito teria realizado três compras das substâncias benzocaína, cafeína anidra e lidocaína junto a uma empresa de fornecimento de produtos químicos, passando-se por sócio da distribuidora, apesar de não fazer mais parte do quadro societário. As substâncias adquiridas fraudulentamente por ele são controladas pela Polícia Federal por serem comumente utilizadas na preparação de cocaína, segundo informações do Instituto de Criminalística da PCDF.

A compra teria sido de cerca de seis quilos das substâncias, quantidade muito superior ao que é utilizado pela maior farmácia de manipulação do Distrito Federal, a qual só utilizava 200g desses produtos no período de um ano. As compras sempre foram realizadas na quantidade exata de dois quilos, que seria o limite máximo desses insumos para não gerar notificação junto a Polícia Federal.

Apesar de não ter mais acesso à sede da distribuidora de medicamentos, o investigado aliciou o motorista da transportadora que entregava os produtos daquela empresa, que interceptava as encomendas antes da entrega ao destinatário final.

Para dar continuidade à atividade criminosa o principal investigado adquiriu outra farmácia, localizada no Recanto das Emas. Com o aprofundamento das investigações emergiram suspeitas sobre mais três indivíduos ligados ao primeiro investigado que estavam envolvidos com tráfico de drogas psicotrópicas, principalmente o Rohypnol, medicamentos abortivos e anabolizantes. A suspeita é que esses indivíduos atuavam na venda da cocaína “batizada” com os produtos químicos já citados e na revenda ilegal dos medicamentos sujeitos a controle especial fornecido pelo proprietário da farmácia.

As buscas foram realizadas nas residências dos suspeitos, nas cidades de Taguatinga, Samambaia, Ceilândia e Guará, e na farmácia, e culminaram na apreensão dos seguintes materiais:
• 2100 comprimidos de Rohypnol, usado como alucinógeno;
• 2200 comprimidos de Sibutramina e 45 ampolas de Lipostabil, usados para emagrecimento;
• 820 comprimidos de Cytotec, usado como abortífero;
• 750 comprimidos de Pramil, proibido no Brasil, usado ilegalmente contra impotência sexual;
• 5 frascos, 10 ampolas e 200 comprimidos de outros medicamentos de uso controlado ou proibido;
• R$ 8.000,00 em espécie;
• 10 folhas de receituários médicos para produtos de uso controlado assinados em branco
• Um carimbo médico.

 

Foram presos por força dos mandados o líder do grupo, o funcionário da transportadora e duas mulheres que participavam do esquema de venda dos medicamentos. Em decorrência das buscas foi realizada a prisão em flagrante de mais um indivíduo por tráfico de drogas.

 

Assessoria de Comunicação/DGPC