japao vacina coronavirus

 

O premiê japonês, Abe Shinzo, afirmou que testes clínicos de uma vacina para o coronavírus podem começar a ser realizados no país já no mês de julho.

Abe fez a declaração durante uma sessão do comitê orçamentário da Câmara Baixa na última segunda-feira (11/5). O premiê apontou que testes de vacinas em humanos já estão sendo realizados nos Estados Unidos.

Abe disse que vacinas estão sendo desenvolvidas em várias instituições japonesas, incluindo a Universidade de Tóquio, a Universidade de Osaka e o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas. Abe disse esperar que os projetos de vacinas possam se desenvolver o mais rápido possível, reunindo conhecimento de todo o mundo.

O premiê também reiterou que o governo japonês espera aprovar o medicamento antigripal Avigan para o tratamento de Covid-19 até o final deste mês.

 

Novas possibilidades de tratamento no Japão

O Japão recebeu uma nova arma no combate o novo coronavírus. O Ministério da Saúde deu um novo passo e autorizou a aprovação rápida de remdesivir, um composto químico antiviral, para tratamento de pacientes com COVID-19.

O remdesivir foi desenvolvido pela farmacêutica Gilead Sciences, dos Estados Unidos, para o tratamento da ebola. Nesta semana a companhia solicitou aprovação para seu uso no Japão, e obteve permissão de um painel de aconselhamento do Ministério da Saúde.

Como o suprimento de remdesivir deverá ser limitado, o governo pretende disponibilizar o medicamento principalmente as instituições médicas que tratam pacientes com sintomas graves.

 

Anticorpos neutralizantes artificiais

Um grupo liderado por pesquisadores da Universidade Kitasato anunciou ter produzido anticorpos neutralizantes artificialmente. Segundo a equipe, testes mostraram que a maioria das células com esse anticorpo não foram infectadas pelo novo coronavírus.

Anticorpos neutralizantes são criados pelo organismo humano quando células são infectadas por um vírus. O anticorpo se une ao vírus, impedindo que o mesmo se conecte aos receptores que existem na superfície das células.

A equipe pretende colaborar com empresas farmacêuticas para realizar testes em animais e outras pesquisas necessárias.

 

Japão deve aprovar novo teste rápido para detecção do coronavírus

O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão anunciou que planeja aprovar kits de teste de antígenos, capazes de detectar rapidamente a presença do coronavírus, nesta quarta-feira.

O teste é semelhante ao utilizado para a gripe, no qual são coletadas secreções do fundo das narinas de pacientes para utilização no kit.

Atualmente, o teste de PCR é o método principal para a detecção de infecções do tipo Covid-19. Diferentemente dos testes de PCR, não são necessárias quaisquer competências específicas para manusear o novo kit de antígenos. Os resultados também podem ser confirmados dentro de 30 minutos, enquanto os de PCR levam de quatro a seis horas para saírem.

Entretanto, os testes de antígenos não são tão precisos quanto os de PCR, não sendo capazes de detectar todas as infecções. O uso dos novos kits será, a princípio, limitado a ambulatórios para pacientes com coronavírus em Tóquio, Kanagawa, Osaka, Hokkaido e outras províncias que apresentam um número elevado de infecções.

A fabricante do kit, Fujirebio, afirma que tem capacidade de produção de 200.000 kits por semana. O custo para realização do teste será coberto pelo seguro nacional de saúde.

Em entrevista concedida a repórteres nesta terça-feira, o ministro da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social Kato Katsunobu deu a entender que os testes de antígenos irão complementar os exames de PCR. Segundo o ministro, os novos kits irão detectar rapidamente os casos positivos, enquanto que o teste de PCR será aplicado para confirmar os casos que derem resultado negativo pelo teste de antígeno.

 

Com informação da NHK