mascara coronavirus 

 

 

Um estudo realizado nos Estados Unidos mostra que a eficácia das máscaras e suas alternativas para evitar a disseminação de gotículas respiratórias durante a fala normal difere de acordo com o material e o formato das máscaras.

Uma equipe de cientistas, vários da Universidade Duke, fizeram experiências com 14 tipos diferentes de máscaras e coberturas faciais facilmente encontradas. A equipe calculou quantas gotículas foram emitidas quando um usuário de máscara dizia uma sentença. Para tornar as gotículas visíveis eles as fizeram passar por um raio laser.

O material comumente utilizado na fabricação de máscaras, que consiste de duas camadas de tecido polipropileno, reduz as gotículas em mais de 90% em comparação com a fala sem nenhuma cobertura facial.

Gotículas diminuíram entre 70% a 90% com uma máscara de algodão, cerca de 65% com máscaras de malha e cerca de 50% com uma bandana dobrada.

Contudo as gotículas aumentaram em cerca de 10% com um cachecol de lã acrílica, ou "fleece". Segundo a equipe, a cobertura de lã acrílica divide as gotículas maiores em inúmeras gotículas menores. O estudo afirma ainda que "o uso de tais máscaras pode ser contraprodutivo", já que as gotículas menores permanecem mais tempo suspensas no ar do que as maiores.

Os resultados da pesquisa podem ser encontrados no periódico científico Science Advances, publicado nos Estados Unidos.

 

- Confira: Evidências Científicas sobre eficiência das máscaras caseiras

 

Com informação da TV Japonesa NHK