produtos cadeia fria coronavirus

Equipe de saúde espera para coletar amostras de esfregaço em produtos da cadeia fria para testar para o novo coronavírus SARS-CoV-2 em Qingdao, na Província de Shandong (Xinhua/Li Ziheng)

 

 

A cidade de Qingdao, no leste da China, realizará testes de ácido nucleico em todos os produtos importados da cadeia fria para melhorar a prevenção e o controle da COVID-19, anunciaram as autoridades locais nesta terça-feira.

A cidade também realizará provas do novo coronavírus a cada três a cinco dias no pessoal envolvido no carregamento, descarga, manuseio e transporte de alimentos importados da cadeia fria em áreas como portos e armazéns, revelou o governo municipal em uma coletiva de imprensa.

Para outros trabalhadores que têm contato direto com alimentos importados da cadeia fria, testes de ácido nucleico serão realizados a cada sete dias, disse Chen Wansheng, funcionário do governo municipal, acrescentando que as provas também serão realizadas nas proximidades de portos, armazéns frios e outros locais.

O vírus ressurgiu recentemente em Qingdao e 13 casos foram detectados até agora. Acredita-se que a desinfecção inadequada na sala de tomografia do Hospital do Tórax de Qingdao seja responsável pelas infecções.

O Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) confirmou no sábado a detecção e isolamento do novo coronavírus vivo na embalagem externa de bacalhau congelado importado em Qingdao durante uma investigação para rastrear a origem das infecções recentes.

É a primeira vez no mundo que o novo coronavírus vivo é isolado de embalagens externas de alimentos da cadeia fria, destacou o CDC da China, acrescentando que o contato com embalagens contaminadas pelo novo coronavírus vivo pode levar à infecção.

 

China adota lei para salvaguardar a biossegurança

A lei estipula que a biossegurança é um componente fundamental da segurança nacional e uma abordagem holística da segurança nacional deve ser adotada para salvaguardar a biossegurança.

A lei prevê o estabelecimento de 11 sistemas básicos para prevenção e controle de riscos de biossegurança, como monitoramento e alerta precoce de riscos de biossegurança, investigação e avaliação de riscos e compartilhamento de informações.

Também contém disposições sobre a prevenção e resposta a riscos específicos de biossegurança, incluindo as principais doenças infecciosas emergentes, epidemias e surtos súbitos, além de pesquisa, desenvolvimento e aplicação em biotecnologia.

A lei entrará em vigor em 15 de abril de 2021.

 

Fonte: Xinhua