fiocruz

Especialistas chamam atenção para a necessidade de decisões coordenadas entre as esferas governamentais. Apenas 13% dos municípios tem capacidade de atendimento em UTI

 

 

Estudo realizado pela equipe do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz) mostra que, na prática, a população se move em busca de atendimento por Covid-19 de acordo com critérios de proximidade e disponibilidade de unidades de saúde, independentemente das fronteiras das Macrorregiões de Saúde desenhadas e previstas no planejamento dos 26 estados e do Distrito Federal. E aponta que essa dinâmica exige a integração de políticas de combate à Covid-19 entre municípios que compartilham uma mesma rede de atendimento.

As conclusões do estudo – publicado na nota técnica Redes de Atenção à Saúde para Covid-19 e os desafios das esferas governamentais: Macrorregiões de Saúde e a curva que devemos ‘achatar’ – indicam que políticas decididas unilateralmente por um município não levam em conta o fluxo de pacientes de outras cidades que podem utilizar sua rede de atendimento à Covid-19, seja como “importadores de casos graves”, por possuírem hospitais especializados, seja como “exportadores”, quando é necessário buscar a atenção especializada fora do município.

 

Só 13% de municípios têm capacidade de atendimento em UTI

“Esses números apontam que decisões isoladas em alguns municípios podem, além de trazer o aumento de casos localmente, provocar a ocupação dos leitos compartilhados dentro dessa rede de atenção à saúde, deixando toda a população dessa rede sem atendimento e, consequentemente, demandando atendimento para as redes vizinhas. Fica demonstrada nessa abordagem a importância de decisões compartilhadas e coordenadas entre as diferentes esferas governamentais”, diz o estudo, em sua conclusão.

Usando dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) e do sistema Sivep-Gripe (Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe), entre outros, a Nota Técnica do sistema Monitora Covid-19 mostra que apenas 741 (13%) dos 5.570 municípios brasileiros apresentam capacidade de atendimento em UTI para pacientes com Covid-19. Além disso, pouco menos de um quinto (1.029) dos municípios conseguiu atender a mais de 10% dos casos de residentes que demandaram atendimento em UTI.

“O deslocamento intermunicipal de pessoas para a utilização de serviços públicos ou conveniados ao SUS precisa ser levado em conta na configuração das Regiões de Saúde. Nesse estudo, usamos a teoria dos grafos e algoritmos de classificação que consideram modularidade, de forma a identificar a conformidade das Regiões de Saúde atuais com o uso efetivo dos serviços hospitalares em nível nacional. É uma metodologia que os municípios podem utilizar”, explica Diego Xavier, epidemiologista do Icict e um dos autores do estudo.

 

Nota Técnica 17 - Redes de Atenção à Saúde para Covid-19 e os desafios das esferas governamentais: Macrorregiões de Saúde e a curva que devemos “achatar” - https://portal.fiocruz.br/documento/nota-tecnica-17-redes-de-atencao-saude-para-covid-19-e-os-desafios-das-esferas

 

Fonte: Icict/Fiocruz