propaganda nitazoxanida covid19

Farmácia foi flagrada fazendo propaganda irregular da nitazoxanida atribuindo de forma equivocada que o medicamento seria "Tratamento precoce comprovado contra covid-19" (Imagem: foto Hora SC)

 

 

O Jornal Hora de SC flagrou farmácia localizada no farmácia no Estreito, em Florianópolis, fazendo propaganda irregular do medicamento nitazoxanida, vendida com o nome comercial de Annita. A farmácia colou um adesivo com letra em caixa alta e cores verde e amerlo com os dizeres " Aqui tem Nitazoxanida - O Tratamento precoce comprovado ´para covid-19". Atrás do adesivo além da Nitazoxanida também haviam caixas de vitamina D. 

A reportagem escutou o presidente da Fenafar, Ronald Ferreira, que disse "A utilização deste medicamento chega a ser uma ação criminosa. Um estelionato. Uma prática que precisa ser condenada​" e orientou "A gente da Federação e do sindicato dos farmacêuticos de Santa Catarina, conclama a sociedade a denunciar no Conselho Regional de Farmácia, no Procon e no Ministério Público quando encontrar farmácias que anunciem esses medicamentos como eficazes para covid, porque é charlatanismo, propaganda enganosa. É, sim, responsabilidade dos farmacêuticos e dos estabelecimentos serem aliados e andarem de mãos dadas de modo que não possa se separar da ciência."

A nitazoxanida virou alvo de polêmica desde que o Ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação Marcos Pontes anunciou em coletiva, em 14/4/2020, que teste in vitro realizados no laboratório do CNPEM demonstrou que um fármaco possui 94% de eficácia em ensaios com células infectadas com o coronavírus SARS-CoV-2. Neste caso, os resultados foram observados em testes in-vitro.

Depois da coletiva, um portal de notícias publicou que o medicamento testado era o Nitazoxanida (annita) o que causou uma demanda pelo medicamento nas farmácias. No dia 15 de abril a Anvisa acabou publicando a resolução RDC 372/2020 incluindo a Nitazoxanida na lista C1 de medicamentos controlados do Anexo I da portaria 344/1998.

A RDC já foi revogada e o medicamento já voltou a ter venda liberada da retenção de receita, mas não é isento de prescrição médica.

Em 23/10 foi publicado um estudo conduzido pelo governo federal sobre o uso da nitazoxanida no tratamento da COVID-19 "Uso precoce de nitazoxanida em Covid-19 leve: ensaio randomizado controlado por placebo" coordenado pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação.

O preprint "Early use of nitazoxanide in mild Covid-19 disease: randomized, placebo-controlled trial", publicado em 23/10, apresentou dados que pacientes com COVID-19 leve, a resolução dos sintomas não teve diferença entre os grupos de nitazoxanida e placebo após 5 dias de terapia (desfecho primário do estudo), mas houve uma redução maior na carga viral de pacientes que tomaram a nitazoxanida do que naqueles que tomaram placebo (desfecho secundário do estudo).

A nitazoxanida não foi aprovada pela Anvisa para uso no tratamento da covid-19, cientistas e especialistas não reconhecem e não recomendam uso do medicamento em tratamento precoce para covid-19.

A reportagem diz que procurou a farmácia para falar sobre a propaganda mais não conseguiu retorno. A matéria foi publicada nesta sábado (23/1) por Clarissa Battistella no portal NSC.