tempestade citocina 

Evidências científicas sugerem que infecções graves por COVID-19 podem estar relacionadas a síndrome de tempestade de citocinas. (Imagem: scientificanimations.com/Wikimedia Commons)

 

Um dos fatores fatais do coronavírus SARS-CoV-2 é a reação exagerada que ele causa no sistema imunológico que é conhecida como tempestade de citocina.

Uma tempestade de citocina (Cytokine Storm), cascata de citocina, tempestade inflamatória ou hipercitokinemia, é uma reação imune potencialmente fatal consistente de ciclo positivo de retroalimentação entre citocinas e glóbulos brancos, com níveis muito altos de várias citocinas.

Tempestades de citocinas podem explicar porque algumas pessoas têm uma reação grave aos coronavírus, enquanto outras experimentam apenas sintomas leves.

Os primeiros sintomas de uma tempestade de citocina são febre alta, inchaço e vermelhidão, náusea e fadiga extrema. Em alguns casos a reação imune pode ser fatal.

 

O que são citocinas

As citocinas são moléculas que participam da comunicação entre as células e desempenham um papel particularmente importante na regulação do sistema imunológico, acelerando o processo inflamatório para lidar com infecções.

As citocinas são produzidas por uma ampla gama de células do sistema imune, como os linfócitos, macrófagos, monócitos e leucócitos.

 

Outras doenças que causam tempestade de citocinas

Suspeita-se que a tempestade de citocinas foi a principal causa de morte na pandemia da gripe espanhola de 1918. Outras doenças respiratórias causadas por coronavírus, como a síndrome respiratória aguda grave (SARS) e a síndrome respiratória do oriente médio (MERS), também podem produzir uma resposta imunológica exagerada.

As mortes do surto de 2005 do vírus da influenza aviária H5N1 também foram associadas a tempestade de citocinas.

Este tipo de resposta do organismo é bem observado nos casos de pancreatite aguda que resultam na síndrome da resposta inflamatória sistêmica e na falência de múltiplos órgãos.

 

 

Texto por Fábio Reis para PFARMA

* A reprodução é permitida desde que citada a fonte com link para https://pfarma.com.br 

 

Sobre Estudos Clínicos de medicamentos experimentais para combater o coronavírus:

Estudo in vitro com Ivermectina

Hidroxicloroquina apresenta bons resultados contra o coronavírus

Sobre o uso do Ibuprofeno, Cortisona e Tiazolidinediona em infecções por Coronavírus

Takeda está desenvolvendo terapia derivada do plasma para o coronavírus

Favipiravir demonstra eficácia no tratamento do Coronavírus